Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
De conto e contistas
Página publicada em: 18/12/2008
Nelson Hoffmann*
Considerações a respeito de três grandes nomes da moderna contística brasileira - Maria Thereza Cavalheiro, Edson Ubaldo e Nilto Maciel - e lições do sempre atual Machado de Assis
 
 
O conto é um dos gêneros literários de mais difícil definição. Há quem o questione, até, como gênero literário. Houve. Hoje é pacífico.
 
A palavra “conto” vem de “contar”, do latim, “computare”. “Computare” significa relatar, narrar e calcular, computar. Daí que o mesmo verbo latino dá origem a palavras como “conta”, “contábil”, “contadoria”, “contagem”, “cômputo”, por um lado; e “conto”, com o sentido de relato, narração, por outro. A palavra “conto”, em si, surge por volta do século XIII e aponta para a narração de um fato. “Eu conto…”.
 
O conto começou oral; passou ao registro escrito. No século XIV, com a publicação do Decameron, de Giovanni Boccaccio, o conto é elevado à categoria de obra de arte. Na primeira metade do século XIX, Edgar Allan Poe, com seus “tales” góticos, traça diretrizes para o conto moderno e inicia a teorização do mesmo. O conto parece definido e começa a ser problematizado em sua definição. 
 
Poe influenciou Machado de Assis, o grande mestre do conto no Brasil. Na esteira deste, perfilham-se milhares. Poucos  atingem o patamar  de “contista”. Afinal, o próprio mestre Machado alertou: o conto é gênero difícil, a despeito de sua aparente facilidade.
 
No Brasil, hoje, são contistas de primeira linha: Maria Thereza Cavalheiro, Edson Ubaldo e Nilto Maciel. Estão-me aqui os livros: Cabeça de Mulher, de Maria Thereza Cavalheiro; O Vôo da Coruja, de Edson Ubaldo; e Babel, de Nilto Maciel. Três livros bem diferentes, como diferentes são as origens dos três autores: paulista, catarinense e cearense. Mas, todos muito brasileiros.
 
Cabeça de Mulher comemora os cinqüenta anos de atividades literárias da autora. O livro contém dezoito contos que, em sua maioria, foram anteriormente premiados em festivais e concursos. O tema caracteriza-se pela visão feminina da alma feminina. Em frases curtas e objetivas, a autora coloca o leitor em contato direto com situações cotidianas e dramáticas. Traumáticas. O final é sempre inesperado. E choca. Como na vida real.
 
Edson Ubaldo é descendente de gaúcho de Vacaria, é catarinense natural de Lages, reside em Campos Novos, SC, e, globe-trotter, passeia pelo mundo. Professor universitário, conferencista de renome internacional, é membro de inúmeras academias brasileiras e européias,  além de titular da cadeira nº 12 da Academia Catarinense de Letras. Sua obra é multifacetada e abrange o articulismo, o ensaio, a poesia, o conto.
 
Na poesia, Edson Ubaldo é destaque; no conto, é magistral. Os quatorze contos que compõem o O Vôo da Coruja são um primor de artesania literária. Conteúdo e forma constituem um só bloco. Gostosíssimo. A gente olha,  lê,  pensa  e   conclui:  esse  conteúdo  só  podia   ser expresso dessa forma; essa forma só podia expressar esse conteúdo. A simbiose é perfeita.
 
A temática de Edson Ubaldo é regionalista e foca os campos da região de Lages, em tempos idos. Idos, mas nem tanto. Muita coisa permanece, bem viva ainda. Em Lages e cercanias, caminhando para o Sul, para Vacaria, donde Ubaldo se origina; ou, para o Oeste, para Campos Novos, onde Ubaldo plantou morada. Avançaram os tempos, mas as geadas continuam branqueando campos, as cigarras continuam rechinando sob o sol, as mestiças continuam sendo defloradas, os bordéis continuam ponto de encontro de velhos coronéis e filhos. Pois, até isso, até os coronéis continuam, sim. E Ubaldo nos traz esse mundo quase mítico e lendário, mas tão atual e presente, em histórias curtas e saborosas, num misto de linguajar culto e campeiro, realizando um conjunto de rara beleza artística.
 
Nilto Maciel dispensa comentários. Autor por demais conhecido, sua obra é extensa e a crítica é unânime em reconhecê-lo como um dos principais nomes das modernas letras brasileiras. Natural de Baturité, Ceará, Maciel está radicado, há anos, em Brasília. Seu primeiro livro que aportou por aqui, pelo Sul, foi A Guerra da Donzela e chamou a atenção. Todos os anos é re-indicado para leitura em sala de aula.
 
Babel  é  o  quinto  livro   de  contos  do  autor  e, conforme o próprio, um   filho  enjeitado. Não  é. Em  muitas  de suas páginas ressuma o que de  melhor Nilto  Maciel  escreveu.  Perpassando   as  três  dezenas  de  histórias  que  compõem   o  livro,  fica-se  com  uma  estranha  impressão de maravilha,  déjà vu   e   presença  real. Há meandros que insinuam mundos kafkianos; há luminosidades que doem como a solama nordestina. Há poesia, há cordel, há povo. Folclore, padrão, elite. Virtude, mornidão, pecado. Crenças, crendices, fé. Homens, mulheres. Mundos.
 
Ler Babel faz a gente lembrar de Jorge Luís Borges. E uma leitura que lembra Borges, só pode ser de livro excepcional. Como este de Nilto Maciel.
 
Três contistas e sua obra de arte: o conto. O conto e sua arte. E sua definição. O que é mesmo um conto?
 
Mário de Andrade chegou a alertar que o próprio Machado de Assis só encontrou a forma do conto: a forma do conto indefinível, insondável, irredutível a receitas.

                     Roque Gonzales, RS, novembro/1999.

_________________
*NELSON HOFFMANN é professor, escritor e crítico literário do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e O homem e o bar (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Hernâni Donato

Hernâni Donato já foi chamado de "o homem dos sete instrumentos". Isto porque, aos 89 anos de idade, membro da Academia Paulista de Letras, é autor de mais de 70 livros, nos mais variados campos da atividade humana, indo da literatura infanto-juvenil à biografia, da historiografia aos costumes, da pesquisa à divulgação científica. Entre as numerosas traduções que realizou, destaca-se a da "Divina Comédia", de Dante Alighieri, em prosa e para divulgação entre o povo. Mas foi no romance que se deu a perfeita combinação do observador minucioso, na linha do cientista social, com o escritor de estilo claro e elegante. É o autor de "Selva Trágica", "Chão Bruto", "Rio do Tempo", "O Caçador de Esmeraldas" e "Filhos do Destino", sucessos editoriais nas décadas de 1950 e 60. Alguns críticos, como Abdias Lima (“Correio do Ceará”, 2/2/1977, Fortaleza, CE), aproximaram Hernâni Donato de Erskine Caldwell e John Steinbeck, a geração norte-americana da revolta, o Caldwell de "Chão Trágico" e o Steinbeck de "As Vinhas da Ira".

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.