Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Anima Animalis - Voz de Bichos Brasileiros
Página publicada em: 01/03/2008
Olga Savary / Preço: R$35,00 (152 pág.)
R$ 35,00
Comprar agora
UM BESTIÁRIO PÓS-MODERNO Prefácio de Christina Ramalho*
Imagem

Um bicho salta das palavras, derrama seus mistérios em voz sucinta, metamorfoseia-se em línguas outras, faz-se gravura e volta ao habitat, ciente do roteiro cumprido. Surge novo bicho, mais outro, outro mais... e um híbrido bestiário pós-moderno se desenha ante nossos olhos, brasileiro, internacional, repleto de signos e senhas, convidando-nos ao passeio caleidoscópico entre asas, escamas, patas e pêlos. Presos nos gradis da vida, estamos nós a vê-los, enquanto eles, livres, desfilam, desafiam e se despedem. Eles são dez. Nós, muitos, multiplicados ainda mais pelo verbo que se faz verso em versões. Eles, todavia, possuem voz e imagem. Nós, quiçá tenhamos ouvidos e olhos para percebê-los.

Eis a ordem do desfile:

Beija-flor, ainda mais delicado nas vestes do hai-kai, sabe-se metáfora e esparge sobre nós vôos desejados.

Bode, humanamente, se debruça no espelho da mitologia e se vê fauno sedutor.

O cavalo, leitor de Quintana, põe em pauta a beleza e o poeta, num jogo de vice-versa, em que uma carta outrora lida motiva verso e conversa.

Jacaré tem palavra mais longa, como o desenho de seu corpo no mapa-múndi ancestral. Mas permanece no segredo de quem sabe nadar de costas em rio que tem piranha.

Lobo-guará, sul-americano desconfiado, fala de táticas e técnicas de quem sabe que sobreviver é uma ciência.

Peixe tem guelras sábias. Tanto faz: rio ou mar, a líquida estrada está lá.

Sapo conta sua sina de estar mais no encanto que na vida. Como nós, sempre esperando pelo beijo redentor.

Tamanduá desdenha a regra geral e exercita o direito a outras formas de desejo.

Touro, filósofo, conjuga tempo e pensamento no pasto da vida ruminante.

Urubu reveste a morte de vida no mais paradoxal dos vôos.
 
Liberdade, sedução, arte, mistério, ciência, adaptação, sonho, erotismo, pensamento, morte. E vida. Encerra-se o desfile. Presos, ainda, aos gradis, ficamos. Se quisermos. Porque a palavra liberta. Como disse Quintana, na carta já referida: “Que sobra então para a poesia? — perguntarás. E eu te respondo que sobras tu”.
 
                                      ./...
 
Contou-me Olga Savary que a idéia do livro nasceu, em 1996, quando o gravador Marcelo Frazão a convidou para traduzir em texto imagens de animais que ele havia produzido usando as técnicas da gravura em xilo e metal. Os animais eram europeus. Olga, uma nacionalista ferrenha. Resultado? Conjugação de propósitos e este Anima Animalis – Voz de Bichos Brasileiros, em que versões em espanhol, finlandês, francês, inglês e italiano dos poemas de Savary expandem a brasilidade conquistada, gerando um livro “tipo exportação”, capaz, portanto, de, em tempos pós-modernos, levar este bestiário brasileiro a outras praças, a outros gradis. Ela, escritora que dispensa apresentações; ele, artista cujas obras conhecem o mundo, possuem a força necessária para mostrar (e até exportar) o que temos de melhor: a criatividade.

Nove hai-kais e um poema mais longo integram a obra e, como se esperaria de Olga Savary, dizem, na medida justa da metáfora lapidada pela concisão, que entre palavra, imagem e leitura há um templo onde se ancorar o pensamento em busca de sentidos sempre abertos, desde que haja o velho e conhecido desejo de ir além das clausuras do espaço e do tempo. Desde que haja emoção abrigando a poesia.

A harmonia entre a arte de Frazão e a de Savary reafirma que o pacto entre gravura e poesia é sempre um convite à ampliação do exercício de sentir.

Muito bom ver a guerreira Olga de volta ao livro, espaço onde morou e mora, mulher de palavra e de palavras.
 
_____________ 
*Christina Ramalho, doutora em semiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); escritora, ensaísta e professora de Teoria Literária da UFRN-Universidade Federal do Rio Grande do Norte; autora, entre outros, de Um espelho para Narciso – Reflexos de uma voz romântica (1999), Fênix e Harpia – Faces míticas da poesia e da poética de Ivan Junqueira (2005) e História da epopéia brasileira (2007).   
 
Este livro pode ser adquirido na Amazon. CLIQUE AQUI.

 


Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.