Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Autores Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Vicente Franz Cecim
Página publicada em: 03/08/2016
Autor conhecido do público e aclamado pela crítica, premiado nacional e internacionalmente, recria e transfigura uma Amazônia que é muito mais do que a floresta física onde nasceu e vive. Vicente Franz Cecim é um escritor inigualável no variado espectro da Literatura Brasileira.
Imagem
Vicente Franz Cecim nasceu em Belém do Pará, Amazônia brasileira, em 07.08.1946, e aí vive. Sua Escritura se entrega à abolição das fronteiras entre prosa e poesia, demanda o silêncio, funde profano e sagrado, e, partindo da natureza, se lança como sede metafísica do Ser da Vida: Atravessar o que nos nega, chegar ao Sim. E é assim que tu verás um S nestes dias cegos. É a inscrição no portal dos seus livros, oposta àquela dantesca que intimida.
 
Em 1979, com A asa e a serpente, iniciou a obra imaginária Viagem a Andara oO livro invisível, transfiguração da Amazônia em Andara: região-metáfora da vida em que natural e sobrenatural convivem em mútua epifania. É onde ambienta todos os seus livros. Andara sendo a Amazônia vista com olhos mágicos, como já foi dito, à medida em que, um a um, os livros visíveis de Andara vão sendo escritos como literatura fantástica, desvelam a literatura fantasma do livro invisível de Andara, livro puramente imaginário, do qual só existe o título e que não é escrito — segundo o autor, o não-livro, corpo de um corpo que se sonha.
 
Em 1980, o segundo livro de Andara, Os animais da terra, recebeu o Prêmio Revelação de Autor da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte).
 
Em 1981, A noite do Curau, primeira versão do terceiro livro de Andara, Os jardins e a noite, recebeu Menção Especial no Prêmio Plural, no México.
 
Em 1988, Viagem a Andara (Editora Iluminuras, São Paulo), reunindo os 7 primeiros  livros de Andara, recebeu o Grande Prêmio da Crítica da APCA.
 
Em 1995, Cecim publicou Silencioso como o Paraíso (Iluminuras, São Paulo) reunindo mais 4 livros visíveis de Andara.
 
Em 2001, quando a invenção de Andara completava 22 anos, publicou Ó Serdespanto (Íman Edições, Lisboa) com 2 novos livros de Andara, apontado pela crítica portuguesa como o segundo melhor lançamento do ano.
 
Em 2004 relançou, em versões finais, transcriadas, os 7 primeiros livros de Andara reunidos nos volumes A asa  e a serpente e Terra da sombra e do não (Cejup, Belém).
 
Em 2005, publicou seu primeiro livro em Iconescritura, unindo imagens & palavras, também em Portugal, K  O escuro da semente (Ver o Verso, Maia), então inédito no Brasil.
 
Em 2006, saiu a edição brasileira de Ó Serdespanto (Bertrand Brasil, Rio de Janeiro).
 
Em 2008 e 2014 lançou as novas iconescritura oÓ: Desnutrir a pedra (Tessitura, Minas Gerais) e Breve é a febre da terra  (IAP, Belém, Prêmio Haroldo Maranhão de Romance). Fonte dos que dormem é o inédito em que reúne os Cantos de Andara. Atualmente gera o novo livro visível  Oniá  um lugar cintilante.
 
Nos livros visíveis que escreve e compõe, o autor busca a alquimia da Escritura, em total liberdade, incorporando o silêncio de páginas em branco e imagens, para criar, a partir da natureza amazônica, a região metafísica de Andara. K O escuro da semente, com o qual a LetraSelvagem inaugura a Coleção Sabedoria, é um desses livros.
 
Autor consagrado, sobre sua obra se manifestaram as mais importantes vozes da Crítica brasileira.
 
"A fulminante trajetória literária de Cecim, que se iniciara com o belo, poético e enigmático poema em prosa Viagem a Andara, o livro invisível, prossegue com um livro, se possível, mais rico e fascinante ainda: Silencioso como o Paraíso. Um dos mais perfeitos livros surgidos no Brasil nos últimos dez anos, imbuído de poesia, encanto e o que Guimarães Rosa chamava de ‘peregrinação álmica’ (da alma)." LEO GILSON RIBEIRO/Caderno Cultural "A TARDE", Bahia/Silencioso como o Paraíso
 
"A excepcional força poética de Os animais da terra de-riva da duplicidade de sua narrativa, cindida em planos opostos. A duplicidade favorece a dominância do relato delirante, que adquire o tom impessoal de um mito, do qual participam o vento, as árvores, o rio, os animais da terra — agentes de uma Natureza rebelada, propícia à ação do servo contra o cego. Esse mito de solidariedade cósmica não apenas revira a existência cotidiana, para exibir o seu estofo de sonhos (o estofo de que somos feitos, na imagem shakespeareana) — tirando proveito do lado ético da herança surrealista, Os animais da terra emprestam ao imaginário o caráter de realidade explosiva represada, de onde provém sempre o apelo poético à renovação da vida. Uma invenção poética. Que melhor denominação para este texto libertário, insurrecto?". BENEDITO NUNES/"LEIA LIVROS", Brasil/Os animais da terra
 
SAIBA MAIS SOBRE VICENTE FRANZ CECIM:
 

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.