Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
A Mulher, o Homem e o Cão
Página publicada em: 15/02/2009
Nicodemos Sena Preço: R$30,00 (152 pág.)
R$ 30,00
Comprar agora
UM JOGO DE TRIÂNGULOS Prefácio de Christina Ramalho*
Imagem
"Ao peso do sono, o homem vem à tona. Contudo mergulhamos, se o peso de outro sonho, bem maior, nos apanha" - Carlos Nejar
 
 
 
José de Alencar, em Iracema, declarou-se “avesso aos prólogos”, comparando-os aos pássaros que bicam as frutas antes que estas sejam colhidas.  O ilustre Brás Cubas, em suas Memórias póstumas, foi ainda mais incisivo (além de irônico): afirmou que os melhores prólogos são aqueles que menos contêm ou, ainda, os que fazem uso do dizer “obscuro e truncado”. Diante de argumentos de tal peso, parece-me imprudente fazer deste texto – que objetiva unicamente convidar e instigar leitores e leitoras a percorrerem os rumos mítico-simbólicos criados por Nicodemos Sena, em A mulher, o homem e o cão – um pássaro importuno ou uma longa e ensimesmada análise literária, na qual imanências do romance que a mim se revelaram pudessem, ao se tornarem explícitas, impedir leitores e leitoras de encontrarem, livres de condicionamentos, suas próprias revelações. Assim, muito aquém do estudo crítico denso que a obra merece, esta apresentação far-se-á apenas porta-voz de impressões de leitura que me parecem suaves o bastante para não comprometerem o posterior envolvimento de leitores e leitoras com o romance.
 
Penso no romance A mulher, o homem e o cão como um caleidoscópio, cujas imagens brotam da associação constante e mutável de pequenos triângulos simbólicos que encerram em si significados próprios logo transgredidos e transformados por outros, trazidos pelo movimento contínuo do brinquedo. Nos vértices desses triângulos, personagens. E a movimentar o caleidoscópio, o narrador, que, dialogando com um ouvinte próximo (um “senhor”), faz de nós, leitores e leitoras, receptores de segunda mão, destinados a confiar no testemunho do tal senhor que ouviu do narrador-homem, um dos personagens do romance, histórias fantásticas, com ele e com sua família ocorridas, que perpassam mitos regionais e bíblicos, indistintamente, numa confluência simultaneamente particular e universal.
 
O girar contínuo do caleidoscópio, sem pausas para capítulos, subtítulos ou quaisquer outros recursos que pudessem impedir o derramamento das imagens, integra homem/mulher/cão, pai/mãe/filho, filho/pássaro/cão, pássaro/cão/cobra, homem/mulher/pássaro, marido/esposa/homem desconhecido, mulher/homem desconhecido/rio, marido/esposa/homem-cachorro, homem/criatura/rio, homem/criatura/cão, entre outras triangulações possíveis, num ir-e-vir de situações fantásticas, sem explicação fora do mergulho no absurdo. Ou seja, a vida se faz na progressiva aceitação do sobrenatural, na conciliação do real e do imaginário como modo de se resgatar a carnadura metafórica do ser, que se metamorfoseia para conquistar a plenitude de estar, ao mesmo tempo, além de si e mergulhado em si mesmo.
 
Em determinados momentos, o narrador-personagem reproduz ao senhor ouvinte o que a esposa lhe contara sobre um diálogo que a mesma tivera com um homem desconhecido, criatura fantástica e camaleônica que gera os conflitos mais contundentes do romance. Observe-se aí um “telefone sem fio”, mais um ludismo presente na narrativa, que, em vez de esclarecer, na ansiada perspectiva do logos, amplia a dimensão plurissignificativa dos eventos, deixando-nos, leitores e leitoras, ainda mais instigados a retirar da matéria narrada imanências que, a nosso olhar, se revelem. Daí a preocupação inicial de não extrapolar a barreira da surpresa contida em A mulher, o homem e o cão.
 
A primeira impressão, gerada pelo título e pelo movimento narrativo inicial, é a de ser A  mulher, o homem e o cão um romance com número restrito de personagens. A transfiguração e a metamorfose, todavia, ampliam esse número, revelando um novo jogo, agora o de máscaras, em que facetas aparentemente incongruentes, como, por exemplo, cão fiel e cão infiel (é quase impossível resistir às revelações imprudentes), revelem-se passíveis de habitar o mesmo ser. Tal recurso convida à leitura psicanalítica, além da mítica e da crítica feminista, sugeridas desde o título. Já a constante tentativa de desvendamento dos mistérios, perceptível na fala do narrador-personagem, traz aderência filosófica ao discurso deste, redimensionando, mais uma vez, as possibilidades de fruição crítica do texto.
 
Entre heranças e intertextualidades, é fácil recordar, na figura do narrador, do famoso Riobaldo, cujo depoimento (também a um suposto ouvinte) sobre o vivido também teve expressivos mapeamentos míticos, além dos vínculos de ambas as narrativas com as representações regionais. Ou recordar Dom Casmurro, ensimesmado em detalhes que, supostamente, poderiam explicar o inexplicável.  No plano das referências implícitas e explícitas, é natural relembrar O paraíso perdido, de Milton, ou os livros bíblicos Gênesis e Apocalipse de São João. Ou, ainda, reviver as narrativas revigoradas pela valiosa pesquisa de Câmara Cascudo, que, no romance, ganham vida nas imagens míticas que integram o repertório amazônico.
 
Entre os estranhamentos (forças que conduzem à busca pelo não-dito) causados pelo caleidoscópio, cujo turbilhão de cores e formas embriaga o olhar e obnubila a razão, está a permanente associação entre triângulos que, como espelhos, retratam a suposta imagem do real palpável, e outros, cuja feição fantástica remete ao sobrenatural, em que categorias como “tempo” e “espaço” perdem seu referencial de logicidade. É, contudo, necessário que o ser humano compreenda (ou seja motivado a compreender) que as categorias “tempo” e “espaço” não podem ser determinantes de todos os sentidos gerados na experiência humano-existencial. Embora, a partir de Kant, tenha-se reconhecido nessas categorias o que ele denominou “formas estéticas da sensibilidade”, nada impede que as fronteiras temporais e espaciais sejam revistas e redimensionadas. Ao contrário, a arte há muito vem promovendo a desconstrução desses referentes. Um dos caminhos para isso, em relação ao mito, é a promoção de um contato direto do ser humano com as simbologias míticas, sem se fazer da explicação lógica a única mediadora possível. A mulher, o homem e o cão  desperta nas leitoras e nos leitores a urgência do diálogo com a metáfora e suas estruturas de conotação, desconstruindo, no espaço plurissignificativo da selva, com destaque para o rio, os limites do tempo e do espaço. E esse diálogo se torna possível porque Nicodemos Sena, inteligentemente, fazendo uso de uma linguagem simples e comunicativa, não permitiu que a narrativa se tornasse hermética em demasia, dada sua dimensão metafórica.
 
Aclamado pela crítica por seus romances A espera do nunca mais: uma saga amazônica (1999) e Anoite é dos pássaros (2003), em que a tônica regionalista se fez marcante e reveladora, Nicodemos Sena apresenta, desta vez, uma novidade: a floresta invade o mundo, desprendendo-se da fonte sem deixar de retornar a ela. No jogo simbólico das palavras, tal como o sertão se fez mundo através da inventividade de Guimarães Rosa, a floresta alcançou ser o que o autor afirma de sua própria criação: “A selva, onde vivem as personagens (e onde eu nasci), é, neste livro, apenas a metáfora de todas as solidões terrenas”.
 
Ao final do romance, uma quadratura, que aqui, por razões óbvias, não discriminarei. O mais instigante movimento do caleidoscópio reside ali. Na conformidade da cena que enquadra o real, reinaugurando a selva, sempre haverá o insondável, o não definitivo, o vir a ser, que está em nós e além de nós. Basta ouvirmos as narrativas do mundo.
 
Deixo a floresta, mas ela está em mim.
 
                                                                                                                                  Rio de Janeiro, 2009
_________________
*Christina Ramalho é doutora em semiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); autora, entre outros, de Um espelho para Narciso – Reflexos de uma voz romântica (1999), Fênix e Harpia – Faces míticas da poesia e da poética de Ivan Junqueira (2005) e História da epopéia brasileira (2007)  
__________

ONDE COMPRAR:

Pode ser adquirido através deste site ou em. CLIQUE AQUI.  

Compre agora na Amazon.


Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» António Cabrita

António Cabrita ainda é uma novidade para o público brasileiro, mas não para a crítica do Brasil, que acompanha os passos desse importante e irrequieto escritor português. Adelto Gonçalves, doutor em Literatura Portuguesa pela USP-Universidade de São Paulo, afirmou: “Este português de Almada (1959) foi para Maputo (Moçambique) há poucos anos, numa época em que raros lusos se dispõem a ir para a África e os que de lá retornaram choram até hoje o ‘império colonial derramado’. Não se arrependeu, pois encontrou material, o chamado ‘tecido da vida’, para escrever novas e surpreendentes histórias como estas que o leitor brasileiro tem a oportunidade de conhecer”. E Maurício Melo Júnior, que é escritor, crítico e apresentador do programa Leituras da TV Senado, escreveu a respeito do romance "A Maldição de Ondina", que marca a estreia de António Cabrita no Brasil: “António Cabrita traz a capacidade de domar o espírito aventureiro e conservador de Portugal. E isso é o cerne de nossa alma universal”.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.