Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
De volta à Santa Catarina
Página publicada em: 09/03/2009
Nelson Hoffmann*
O cronista relembra suas andanças por Santa Catarina, o encontro com seus poetas e a lição do "Mestre Alcides"
A primeira vez que andei por Santa Catarina foi lá por meados de 60. Na ocasião, três amigos e eu compramos uma velha kombi, caindo aos pedaços, e mandamo-nos por aí, querendo conhecer o Brasil. Partimos de Torres e chegamos a Florianópolis. A kombi enguiçou pela primeira vez e ali ficamos por três dias e três noites.
 
Apaixonei-me por Florianópolis e Santa Catarina e tornei inúmeras vezes. Percorri o Estado em todas as direções, conheci-lhe quase todos os recantos. Por fim, por último, dei com os costados na velha e legendária São João Batista de Campos Novos e ali deixei meu filho Diego. Isto, há pouco, há cerca de dez anos.
 
De então para cá, atentei na Literatura Catarinense – antes, era só Cruz e Sousa. Comecei pela terra adotiva de meu filho, Campos Novos, e expandi. Espraiei-me, contatei, conheci autores, fiz amizades e, hoje, há quem me diga “procurador”, “adelantado” e outras coisas similares dos escritores catarinenses na região gaúcha das Missões.
 
Na própria Campos Novos, descobri Edson Ubaldo, o soberbo contista de O Vôo da Coruja, além de poeta,  palestrante e jurista de renome internacional. Quem me iniciou nos segredos das trilhas e veredas literárias catarinenses foi Enéas Athanázio, o vaqueano dos Campos Gerais e admirável contador de causos da vida campesina. Por sua mão, saí à cata de outro campos-novense ilustre, sumido, Herculano Farias Júnior. Não o encontrei, mas fui presenteado com a poesia de Artêmio Zanon, também filho da terra.
 
Artêmio Zanon é poeta de primeiríssima linha. O seu recente Cinco Poemas Dramáticos, englobando “A Rosa Ferida”, “Romança da Bengala Amarela”, “Enquanto o Filho não Nasce”, “Da Morte e da Guerra” e “Catariníada” é um livro belo e perturbador. À primeira vista, os poemas parecem simples e são de leitura agradável em ritmo, rima e métrica. Chama a atenção a preferência pelos tercetos e quartetos, estrofação bem popular. À medida que se avança, porém, a leitura vai se transferindo da forma para o conteúdo e a reflexão começa e a inquietação nasce, cresce, domina. O leitor perturba-se, problematiza-se e decide assumir-se no mundo. Isto é Poesia, isto é Artêmio Zanon, que precisa ser lido e lido. Com urgência.

O Enéas advertiu-me que não mora mais em Campos Novos – reside em Camboriú: um campeiro na praia. Desci a serra em busca de Camboriú. Passei por Blumenau, a loira cidade no sul, da Urda A. Klueger. Esta, a Urda, uma das mais singulares e importantes prosadoras do sul do país. E, não só. Com sua temática alemã, com seu Vale do Itajaí, com sua loira Blumenau, Urda Klueger nos traz um mundo que está fora do foco cotidiano de nossas letras. Um mundo diferente mas, nem por  isso, menos importante. Urda é escritora que precisa ser melhor avaliada e mais destacada.

Volto à Florianópolis. Quanto à Camboriú, gostei mais daquela Camboriú dos anos 60: era, então, uma próspera vila de pescadores. Hoje… Bem, sou avesso às aglomerações. Até quero mais bem à Florianópolis: é uma grande cidade menor. Humana. A gente se conhece.
 
Ali eu conheço Péricles Prade, Alcides Buss, João Alfredo Medeiros Vieira, Pinheiro Neto, C. Ronald e outros.
 
O Pinheiro Neto é grande poeta e grande amigo. Andou por aqui, em Roque Gonzales. Palestrou, visitou, churrasqueou e vendeu quantos exemplares trouxe do seu Ciclo dos Olhos. Continua recordado, comentado e admirado. Voltará.
 
J. A. Medeiros Vieira escreveu uma das mais belas orações já escritas em Língua Portuguesa, A Prece de um Juiz. O texto percorre o planeta e está traduzido para quase todas as línguas da Terra. Homem de cultura universal, o autor aborda o tema que se lhe apresente: Filosofia, Direito, Letras, Ensino.
 
Péricles Prade é por demais conhecido e respeitado. Um solitário. Sem antes nem depois. Sem paralelo. Por vezes, difícil, é sempre incomparável. Daí, a solidão do poeta e o respeito de todos.
 
A “angústia de ser” é uma das definições para a poesia de C. Ronald. A condição humana, origem e fim, o estar transitório, o “eu e a circunstância” de Ortega y Gasset, são alguns dos múltiplos aspectos desse poeta. Aspectos múltiplos  que,  por sinal,  se  reduzem a  um só: o Ser, o “Esse”, o “Ens ut Ens”.
 
O Poema e o Poeta é a síntese de Alcides Buss. A Criatura e o Criador. A junção, a fusão, a Unidade. No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus (Jo, I,1).  O Poema e o Poeta, o Uno. Lição de Alcides Buss, o “Mestre Alcides”.
 
Não restam dúvidas: eu preciso voltar à Santa Catarina. O quanto antes! Eu preciso falar mais de perto com cada um. Em particular. Em breve.
 
Eu voltarei.
 
                                                             Roque Gonzales, fevereiro/2000

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Nelly Novaes Coelho

Nelly Novaes Coelho nasceu na capital de São Paulo, em 17 de maio de 1922, pouco depois da Semana de Arte Moderna. Em 1960, inicia a carreira de docente universitária, como professora-assistente do Prof. Antônio Soares Amora, área de Literatura Portuguesa. Em 1961, acumula esse cargo com o de professora titular de Teoria da Literatura, na Faculdade de Letras de Marília (onde lecionava nos fi ns de semana). Segue a carreira universitária: doutora em Letras (USP, 1967), livre docência (USP, 1977). Professora-adjunta (USP, 1981) e professora titular de Literatura Portuguesa (USP, 1985). Nesse período, inicia-se como crítica e ensaísta literária, colaborando no Suplemento Literário de “O Estado de São Paulo”. Especializa-se em Literatura Contemporânea (portuguesa e brasileira). No decorrer de sua carreira acadêmica, entrega-se à docência e à crítica, publicando em jornais e revistas do Brasil e do exterior. É reconhecidamente uma das mais importantes críticas literárias e conferencistas de literatura brasileira e portuguesa no Brasil.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.