Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
O Sal da Terra
Página publicada em: 15/06/2010
Caio Porfírio Carneiro / Preço: R$30,00 (128 pág.)
R$ 30,00
Comprar agora
SAL À LUZ DO DIA - Texto de orelhas escrito por João Antônio
Imagem
Esta história pisa em território virgem na literatura brasileira. O mundo branco e desconhecido do sal no Nordeste, visto de dentro para fora e devassado com uma autenticidade fotográfica, supera de pronto as frouxas investidas literárias de que se tem notícia na área das salinas e de sua gente. Na verdade, raras e mal realizadas, tais tentativas perderam-se ou pela exageração do pitoresco ou mesmo por não portarem um nível mínimo de qualidade. E o tema do sal estava a pedir um escritor que o incorporasse à literatura, em termos de arte e depoimento.
 
A experiência do autor, como artista e como homem, lhe permitiu erguer um livro que atende a uma característica fundamental, velha quanto André Gide e que, em outras palavras, se traduz pela verdade de que uma literatura não se constrói para o simples divertimento de uma sociedade e, tampouco, para servir ao pó da vaidade de seu cultor. Assim, a visão de aparente calmaria das salinas do Nordeste, com as magníficas pirâmides de sal grosso, vem em O Sal da Terra à luz do dia. E realidade de um mundo de mazelas transborda na narrativa. A salina perde as dimensões de postal turístico e ganha em tamanho, força e verdade. Uma multidão de párias são os tarefeiros das salinas nordestinas e suas implicações são a fome, a cegueira, o calo branco, o maxixe, as brechas de uma polegada na sola dos pés, o meretrício aos treze anos de idade, os assassinatos sobre as dunas, enfim, a vida e agonia de um batalhão de descalços que vegeta e morre com lentidão naquele mundo de cloreto de sódio, cruelmente iluminado no Nordeste de sol.
 
Caio Porfírio Carneiro não é exatamente um escritor de tramas simples, isento das complexidades psicológicas de seus personagens. É a simplicidade das gentes das salinas que motiva a economia de palavras e objetividade desta obra, por isso mesmo mais verdadeira. Uma das características mais firmes destes velhos e meninos, cegos e prostitutas, mestres e brabos é a quase completa ausência de consciência do papel que representam dentro de uma comunidade, daí a autenticidade ora trágica, ora patética ou até cruel.
 
Devido ao laconismo, não apresentaria a ação múltipla, não fora o autor um artesão disposto a caminhos difíceis. A intensidade com que usa o diálogo e suas faculdades indiretas, o seu poder de individualização de cada personagem, resultam numa técnica de leque, onde a personagem de centro é o sal.
 
Guedegue, Cristina Louca, Bibio, cego Delfino, Mestre Nonato são gente de quaisquer salinas do Nordeste participantes de um mundo que realmente existe, belo e trágico, simples e degradante, que berra e choca, demarcado em flagrantes vivos pelo contrate entre geografia e homem. A paisagem exterior, fixada em beleza pelos trechos descritivos e narrativos, estabelece um terrível contraste humano e fotogênico, diante da sordidez estúpida e da miséria em que vivem os tarefeiros e os restos de gente de pés no chão.
 
O Sal da Terra é um livro pioneiro pelo que contém como seriedade de pesquisa e já se inclui na importância dos livros que devassam novas áreas brasileiras, como o será aquele que retratar, por exemplo, na literatura nacional, o mundo desconhecido da carnaúba. Esta virtude inicial – independentemente das outras – transmite a Caio Porfírio Carneiro um lugar próprio dentro da ficção brasileira, que se acrescenta de uma contribuição corajosa, vívida e consequente.
 
_____
*João Antônio
Autor de Malaguetas, Perus e Bacanaços (contos) 
_____________
COMO ADQUIRIR:
Adquira os outros livros da LetraSelvagem através deste site ou nas lojas da Livraria Cultura em todo o Brasil, pessoalmente ou através do site (CLIQUE AQUI). Ou, ainda, no Ponto do Livro, na Rua Alves Guimarães nº 1322, Pinheiros, São Paulo/SP.
http://www.livrariaselvagem.com.br/products/o-sal-da-terra
30

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Carlos Nejar

Poeta, romancista e ensaísta, da Academia Brasileira de Letras, um dos nomes de maior projeção dentro e fora do Brasil, aclamado pela crítica. No dizer de Antônio Houaiss: "Essa criação tão intensa, tão passional (da condição humana) busca, com homo sapiens, atingir os ápices da solidariedade humana. O que não é dado, em todos os tempos, senão a poucos - a esses em cuja normalidade há um quantum de loucura e outro tanto de santidade". Traduzido em várias línguas, tem sido estudado nas universidades do Brasil e do exterior.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.