Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Autores Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Hernâni Donato
Página publicada em: 17/09/2011
Hernâni Donato já foi chamado de "o homem dos sete instrumentos". Isto porque, aos 89 anos de idade, membro da Academia Paulista de Letras, é autor de mais de 70 livros, nos mais variados campos da atividade humana, indo da literatura infanto-juvenil à biografia, da historiografia aos costumes, da pesquisa à divulgação científica. Entre as numerosas traduções que realizou, destaca-se a da "Divina Comédia", de Dante Alighieri, em prosa e para divulgação entre o povo. Mas foi no romance que se deu a perfeita combinação do observador minucioso, na linha do cientista social, com o escritor de estilo claro e elegante. É o autor de "Selva Trágica", "Chão Bruto", "Rio do Tempo", "O Caçador de Esmeraldas" e "Filhos do Destino", sucessos editoriais nas décadas de 1950 e 60. Alguns críticos, como Abdias Lima (“Correio do Ceará”, 2/2/1977, Fortaleza, CE), aproximaram Hernâni Donato de Erskine Caldwell e John Steinbeck, a geração norte-americana da revolta, o Caldwell de "Chão Trágico" e o Steinbeck de "As Vinhas da Ira".
Imagem
Hernâni Donato nasceu em Botucatu, centro ferroviário no interior de São Paulo, a 12 de outubro de 1922, em uma família de imigrantes italianos. Sua origem humilde (é filho de um operário) e interiorana não o impediu de tornar-se um intelectual com sólidos conhecimentos e um publicitário metropolitano bem-sucedido.
 
Selva Trágica, que a LetraSelvagem ora reedita, trata da situação dos trabalhadores da erva-mate na região da fronteira Brasil-Paraguai, reduzidos à condição análoga à de escravo, assunto até então não abordado na literatura brasileira, verdadeiro massacre de trabalhadores brasileiros no início do século 20.
 
Lançado em 1960, Selva Trágica impactou a crítica e os leitores, esgotando cinco edições. Em 1963, foi filmado em preto branco por Roberto Farias, com a estreia de Reginaldo Farias como ator. Ganhou o Prêmio Saci, promovido pelo jornal “O Estado de São Paulo”, e representou o Brasil no Festival de Veneza. O filme é considerado um divisor de águas – um clássico – no cinema brasileiro, após o sucesso internacional alcançado. “Nesse filme, uma das maiores sequências do Cinema Brasileiro, o momento em que o personagem de Reginaldo Farias (o mineiro Pablito), com um peso muito acima de suas forças, apoia-se nos pés do feitor para levantar-se. Junto com Menino de Engenho, os maiores filmes do Cinema Novo” (do livro Dicionário de Filmes Brasileiros, do professor de cinema Máximo Barros).
 
Para escrever esse impressionante romance-documento, Hernâni Donato empreendeu minuciosa e persistente pesquisa, à maneira de Flaubert ou Zola (sem a obsessão do “naturalismo”, como observou o crítico Wilson Martins em “O Globo”). Consultou documentos e ouviu histórias terríveis de antigos trabalhadores das minas de erva-mate, como a do homem que teve de lutar de garrucha em punho e viu seu filho morrer, porque ousou escrever sobre o que se passava na cultura do mate; ou a história do peão que trazia no corpo sinais de 18 facadas, com cortes que haviam sido costurados com agulha e barbante de costurar saco.
 
Até 1938, período do primeiro governo de Getúlio Vargas, manteve-se o monopólio da Companhia Mate Laranjeira, argentina, que realizava a extração do mate nos ervais do Mato Grosso. Mas, quando Hernâni Donato embrenhou-se nos ervais, no final da década de 1950, em busca do material com que construiu Selva Trágica, ainda havia – segundo informação colhida em entrevista concedida pelo autor à jornalista Cecília Prada, publicada na Revista Problemas Brasileiros – cerca de 5 mil homens e mulheres trabalhando em condições extremamente precárias, sem descanso, durante 14 horas diárias, das 3 da manhã às 5 da tarde, na colheita e no transporte da erva – entre a “mina” e o acampamento o mate tinha de ser levado, pelo meio da selva, em fardos de 150, 200 quilos, amarrados às costas dos trabalhadores. “Qualquer passo em falso causava a quebra da espinha do carregador. E então... os próprios companheiros, na falta de outro recurso, sorteavam entre si, jogando cartas, quem daria um alívio ao acidentado... um tiro na cabeça!”
 
Os leitores urbanos, que talvez imaginassem que a erva-mate fosse cultivada em belos jardins, horrorizaram-se com os fatos narrados em Selva Trágica, como, por exemplo, a brutalidade com que era tratado o “uru’”, o homem responsável pelo “barbaquá”, espécie de forno de madeira onde a erva era preparada para o consumo, o qual tinha de trabalhar dia e noite e sem parar, remexendo as folhas sob um calor atroz. Depois de algum tempo desse trabalho infernal, todos os pelos do corpo do uru iam secando, caindo, e o homem ia ficando esturricado e se transformava num feixe de ossos.
 
A crítica foi unânime em considerar Selva Trágica um alto momento da ficção brasileira; um livro capaz de colocar seu autor entre os maiores escritores do Brasil. “Romance másculo, forte, bárbaro, como bárbara era a selva, como bárbaro era o trabalho nos ervais. É esse de Hernâni Donato” (Temístocles Linhares, no livro História Econômica do Mate, José Olympio Editor, RJ, 1960). “Selva Trágica é uma história como nunca foi escrita em nossa terra” (Arthur Neves, in Revista Anhembi, SP, 1961). “Documento eloquente, de notáveis revelações, de alto poder comunicativo, obra de grande valor estilístico. [...] Em suma: constitui um dos mais altos momentos da novelística de conteúdo social no Brasil” (Fábio Lucas, in O Caráter Social da Literatura Brasileira, Ed. Paz e Terra, RJ, 1970, Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro).
 
Por seu poder comunicativo e eloquência como documento, Selva Trágica é um dos livros que melhor representam o caráter social da literatura brasileira.
 
SAIBA MAIS SOBRE HERNÂNI DONATO:
 
COMO ADQUIRIR:
O romance Selva Trágica poderá ser adquirido na rede de lojas da Livraria Cultura em todo o Brasil ou através dete site. CLIQUE AQUI

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Francisco Moura Campos

“A poesia de Francisco Moura Campos consegue arrancar do mais profundo das sombras da infância a pureza e o sabor da terra, que o tempo havia tentado sepultar. Uma poesia nítida e dedicada a reinventar o perdido e o nunca encontrado.” (Renata Pallottini).

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.