Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Selva Trágica
Página publicada em: 17/09/2011
Hernâni Donato / Preço: R$35,00 (288 pág.)
R$ 35,00
Comprar agora
NA ´SELVA SELVAGGIA´ DA CRIAÇÃO - Prefácio de Fábio Lucas
Imagem
Livro de inegável valor literário é Selva Trágica, de Hernâni Donato. O tema social continua sendo a exploração humana no campo. O cenário é o sudeste de Mato Grosso. Trata-se da produção de erva-mate, quando os ervais eram aproveitados por uma Companhia que deles tinha o monopólio.
 
O romance, a par do relato da vida degradada dos ervateiros e mesmo dos satélites da Companhia, conta paralelas histórias de amor (entre o Curã e Zola, Aguará e Anaí, Pablito-Flora, Isaque, Osório e Nakyrã), episódios de fuga e consequente caçada humana.
 
Documento eloquente, de notáveis revelações, de alto poder comunicativo e obra de grande valor estilístico, Selva Trágica mostra as dantescas condições de trabalho da região. O Curãturã, empregado que passa 48 horas seguidas revirando a erva no fogo, faz para o seu sucessor, o rapazinho Aguará, a descrição de seu labor:
 
“... Então começa a respirar fumo e resina, a ser defumado em suor e fumaça. Primeiro a gordura, depois as carnes, a saúde, escorrem pelo corpo, dia e noite, feito suor. Nenhum pelo lhe fica grudado ao corpo, nem saliva na boca, nem dentes nas gengivas, nem lágrimas nos olhos. Vai sendo cozido dia a dia; os intestinos acabam secos e mortos, envenenado o corpo; o estômago ácido, os pulmões cavernados, as veias saltadas, os olhos afundados. E dia e noite, com a forquilha nas mãos, revolvendo erva. No fim da primeira safra desce um fantasma do piso onde subiu um homem. Na segunda é um mecanismo. Começa a sofrer uma sede tão grande que até faz dor, queima, atordoa. O remédio é beber. Quanta bebida queira, tanta lhe dão... (os capatazes)” (p. 49).
 
Os ervateiros trabalham desde as três horas da madrugada até a tardinha. Transportam, diariamente, um fardo de erva de vinte arrobas, preso à testa, aos ombros e ao peito. Se tropeçam (não podem olhar para o chão), a morte é instantânea, pois a coluna vertebral se parte. Para mantê-los indefinidamente no emprego, a Companhia força-os a gastar o que ganham, prolongando, assim, o contrato dos empregados perdulários (todos o são: descarregam as semanas de tensão sem pensar duas vezes). São mobilizados nas cidadezinhas da fronteira Brasil-Paraguai, levados, a poder de engodos, promessas e fantasias, às bailantas (casas de mulheres e bebidas), forçados a gastar numa noite um dinheiro prometido e inexistente, até que, ao raiar do dia, endividados, assinam compulsoriamente um contrato com a Companhia. É o começo.
 
Não há organização dos oprimidos, nem elementos instigadores para os arregimentar. O protesto é a fuga, cada um que se cuide, havendo até quem planeje o sacrifício de um colega para facilitar o escape. Os funcionários da Companhia, que tomam conta dos mineiros, ficam inteiramente brutalizados: batem, espancam, trapaceiam, tudo com indiferença e sadismo.
 
As festas de fim de colheita coincidem, no livro, com a Semana Santa. São sete dias de orgia, com abundância de mulheres, comidas, jogos e bebidas.
 
As mulheres pertencem a seus maridos até onde o permita a Companhia. Os capatazes podem dispor delas à vontade. São coisa, servem até para pagar dívidas. São negociáveis.
Há exploradores clandestinos da erva que se arriscam permanentemente, pois, descobertos, são mortos: os changays, “os mais miseráveis dos miseráveis tiradores de erva” (p. 79). Sendo os que podem sair das minas, pois trabalham sem patrão-algoz, são os que mais pugnam pela extinção do privilégio.
 
“A Companhia faz a grande política, em Cuiabá, em São Paulo, no Rio, em Buenos Aires, sei lá onde mais. Assim, cobre e abafa os gemidos e os gritos da gente pobre nos ervais. No andar em que vamos, nem no fim do século teremos força para emparelhar o nosso passo com o passo da Companhia. Lá fora é que é preciso gritar. O Governo é que nos pode ajudar se chegar a nos ouvir. Mas Governo só ouve ribombo, soluços não” (p. 136).
 
Esse falar vem de Luisão, um líder de precedentes não muito definidos. Reconhece os méritos da Companhia, ataca-a frontalmente, luta pela extinção do monopólio, até que chega a notícia da vitória de sua causa: o Governo resolve extinguir o monopólio; agora todos poderiam obter concessão e tirar a erva.
 
“Isto custou dez anos de espera. Não pensem que com isso – esse papel do Governo – os apuros se acabaram. O Governo está longe, tem a vista fraca demais para enxergar o que se passa no meio do mato. E a erva está no meio do mato. Não nos jardins do palácio do Governo. Agora vamos lutar contra outro tipo de poder: o dinheiro, a política, o suborno, a malícia” (p. 250).
 
Em suma, Selva Trágica constitui um dos mais altos momentos da novelística de conteúdo social no Brasil.
 
_____________
(*) Fábio Lucas (Esmeraldas, MG, 27/07/1931) é escritor, crítico literário e professor, membro da Academia Paulista de Letras e da Academia Mineira de Letras. O texto deste prefácio foi extraído do livro-ensaio O Caráter Social da Literatura Brasileira (Ed. Paz e Terra, RJ, pág. 83/85 - Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, 1970)
_______________ 
COMO ADQUIRIR:
Adquira este livro na rede de lojas da Livraria Cultura em todo o Brasil ou através deste site. CLIQUE AQUI
http://www.livrariaselvagem.com.br/products/selva-tragica
35

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.