Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Tratado dos anjos afogados
Página publicada em: 01/03/2008
Marcelo Ariel / Preço: R$40,00 (216 pág.)
R$ 40,00
Comprar agora
SIM AOS AFOGADOS - Prefácio de Mariana Ianelli*
Imagem

“Fala-se em vão de justiça, enquanto o maior dos navios de guerra não se despedaçar contra a fronte de um afogado” - Paul Celan

 
Aqui não atravessamos o poema: somos por ele varados. Ficamos abertos, fendidos para o encontro, “vítimas vivas / do tempo”, no fogo ondulante entre o ainda-não e o não-mais. Somos passagem, sopro que anima o poema e dá vôo à grande Fênix que ele foi, é e será. Chegamos a esta clareira da presença, a este Ainda-e-Sempre de que falava Paul Celan, poeta de luz submersa em sombra, de quem Marcelo Ariel conhece a flor.
 
“Suavemente penetrei num jardim / onde a única árvore existe”, canta Ariel. Aqui estamos, onde o sonho se cristaliza, aqui nos encontramos, onde a orquídea do silêncio se arregaça, juntos colhemos da palavra o seu bastante: tudo o que lhe falta dizer.
 
Ariel, na sua “intuição selvagem”, escreveu uma vez que gostaria de pintar “apenas as nuvens, o mar e as folhas que caem no chão”. Misturadas as tintas e as águas, tempos depois, um raio explode no coração do mundo, como em uma das telas incendiárias de William Turner: o Tratado dos anjos afogados.
 
Se “nenhuma frase será capaz de traduzir / esse vítreo sentimento vasto” do poeta, há, no entanto, a música no fundo de uma voz que suplanta com o seu murmúrio de fonte o estrondo da barbárie, o horror humano, a obscuridade; há um outro sol absoluto se imiscuindo nos vãos da vida transbordada; há o mais além dos nomes, o mistério latente no poema, a ponto de ser amado. Pois amemos, sem desunir luz e sombra.
 
Movido pela metamorfose, algo lamentavelmente raro na poesia contemporânea, Ariel se fantasmagoriza, transmudado em ninguém, e, moldando sua matéria de sonho, silêncio e saudade com um pincel de bruma, torna-se Ulisses diante do ciclope: “qualquer homem pode ser Ulisses / caminhando na praia ao entardecer / Se na gruta de si mesmo ecoa em tudo / a pergunta do ciclope-mundo”.
 
Contra a navalhada cotidiana, vai o poeta rasgando o espaço escuro com um “diamante (...) capaz de reconhecer a alma ou seja a terrível gratuidade da beleza” e, por essa abertura afogueada, também ele se abre em plena transparência para “o encontro de uma autêntica filia”. Assim trespassado pelo poema, Ariel elide o “espelho dos distanciamentos” e convoca o espírito para além da palavra espírito, o amor para além da palavra amor, no “azul / feito de gelo / flamejante”. Trespassados também ficamos nós, pelo afeto, feridos, sim, por essa chaga de estrelas dentro da noite.
 
E essa chaga pode iluminar-se bem ali, no canto do poeta, como de fato se ilumina, mal contida entre parênteses: “(Ainda estou no açougue-presídio, a chegada da tropa de choque não me acordou do metafísico)”. Balas perdidas, chacinas, granadas, valas escancaradas, e Ariel põe Simone Weil a pensar. O inferno se alastra? Pois o poeta de Cubatão caminha por ele, e sonha: “penso, logo, sonho: / (...) Sonho que não existo.../ Sonho com Baudelaire me dizendo que: ‘A vida humana vale menos do que uma fábula de Akutagawa’, / Sonho com Jorge de Lima lendo ‘A Invenção de Orfeu’ para Brian Wilson, / Sonho que sou um peixe de gelo / e lentamente me transformo em um peixe de fogo, / Sonho que acordo e não me lembro onde deixei meu corpo”.
 
Em um dos diálogos estelares deste Tratado, conversam Francis Ponge e Paul Celan. E se imaginássemos o diálogo possível entre Celan e Ariel? Talvez ambos se calassem, simplesmente. Mas no olho do silêncio, em meio à insistente negativa do mundo, nosso poeta guardaria “algo / melhor do que uma resposta”: sim aos afogados, contra os quais o maior dos navios de guerra não se despedaçou.
___________ 

*Mariana Ianelli é jornalista, poeta e mestre em Literatura e Crítica Literária, autora dos livros Trajetória de antes (1999), Duas Chagas (2001), Passagens (2003), Fazer Silêncio (2005) e Almádena (2007) – todos pela Editora Iluminuras, SP.

___
 
Este livro pode ser adqurido na Amazon. CLIQUE AQUI.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.