Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
Um livro de Cecim
Página publicada em: 16/03/2017
Fernando Py
Qual a singularidade desse autor paraense, que, segundo o crítico Fernando Py, mantém "um parentesco de poesia e encanto fônico-visual" com João Guimarães Rosa? Confira a seguir. (Resenha publicada originalmente na "Tribuna de Petrópolis", 27.01.2017, Petrópolis, RJ)
Quando me acontece escrever sobre um autor que totalmente desconheço e, ainda mais, sobre um volume que é continuação de outros igualmente ignorados, preciso, mesmo depois de uma leitura prévia, imaginar o que o autor pretende – principalmente se sua escrita segue um regime de esfoliação vocabular que mantém pontos de contato com o irlandês James Joyce. Foi assim que me senti ao ler K, O escuro da semente, do paraense Vicente Franz Cecim (Taubaté, SP: LetraSelvagem, 2016).
 
Os textos críticos incluídos no livro informam que se trata da sequência de uma obra “imaginária”, Viagem a Andara oO livro invisível, cujo primeiro livro é A asa e a serpente (1979). Andara, no caso, é “a Amazônia vista com olhos mágicos” e, segundo o autor, o “livro invisível de Andara é puramente imaginário, do qual só existe o título e que não é escrito” – ainda, segundo o autor, “o não-livro, corpo de corpo que se sonha.”
 
Este K, O escuro da semente é o quarto volume dos livros sobre Andara, e o objetivo geral é expressar a passagem a outro nível de consciência, chegar à fronteira do “não-mental” do budismo – e isto exige uma transcrição nova em ortografia, como podemos ver a cada página, a cada linha. Assim, a leitura do livro se faz bastante difícil, não exatamente como o Ulisses de Joyce, porém mais apropriadamente como o Mallarmé de “Um coup de dés jamais n’abolira le hasard” (Um lance de dados jamais há de abolir o acaso).
 
Por outro lado, o livro de Cecim está encharcado pelos Upanishads hindus, o que, de certo modo, pode ajudar e/ou atrapalhar o leitor comum: é absolutamente necessário conhecer bem a maneira de utilizar as palavras com um sentido “visionário” – o que demanda uma nova postura ortográfica, uma liberdade quase plena de escrever sem a preocupação de seguir regras.
 
Os textos de Cecim elaboram uma espécie de amálgama entre o sagrado e o profano, pois, além de praticamente destruir os limites entre a prosa e a poesia, compõem um delírio que oscila desde o uso visionário de palavras – a todo momento destituídas de sua acepção normal – e o sentido fustigante de lampejos verbais. Sua obra é o resultado da mistura de poesia e prosa, da digressão onírica e do componente filosófico, e onde a própria reinvenção da palavra está de acordo com um tipo de reinvenção do universo.
 
A singularidade de Cecim pertence a um modo de ser místico, diferentemente de Guimarães Rosa, porém mantendo com o autor de Grande sertão: veredas um parentesco de poesia e encanto fônico-visual. Mesmo sendo difícil, convém uma leitura cuidadosa.
_______________ 
*Fernando Py é poeta, crítico literário e tradutor brasileiro. Traduziu para o portruguês a monumental obra proustiana Em busca do tempo perdido (Ed. Ediouro, 2002, RJ) 

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.