Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
A Amazônia vista com olhos mágicos: K - O escuro da semente. ó Uniausência
Página publicada em: 16/05/2017
Dirce Lorimier Fernandes
Olhar (e ver) implica inteligência, sentimento. “G” (letra acrescentada pelo autor Vicente Franz Cecim no seu mais recente livro de "Andara", intitulado "K, O escuro da semente") é conhecimento do tempo e do espaço. G distingue e interpreta cores. Confira a resenha que a professora e crítica Dirce Lorimier Fernandes escreveu sobre a obra. (Texto publicado originalmente no suplemento literário "Correio das Artes", encartado no jornal "A União", de João Pessoa, PB, janeiro/2017)
Entremos no Labiantro, onde Vicente Franz Cecim demonstra que a arte poética vive de seu próprio mistério.
 
Na penumbra de Andara em busca do hgomem (completo) o símbolo se oferece em silêncio para ser visto por quem tenha abertos os olhos do coração. Senão, para que o poeta estaria pregando “quando fala na língua que o outro não entende?” Não seria razoável o proposto diálogo contigo n’O escuro da semente perder-se num monólogo. Mikhail Bakhtin, em Questões de Literatura e Estética – A Teoria do Romance, lembra que para o grego da época clássica toda a existência era visível e audível. “Por princípio (de fato) ele desconhece a existência invisível e muda... Platão, por exemplo, compreendia a reflexão como uma conversa do homem consigo mesmo (Teeteto, O Sofista) A ideia de meditação silenciosa apareceu pela primeira vez com o misticismo (suas razões são orientais). Ademais, a reflexão como uma conversa consigo mesmo, no entender de Platão, não pressupõe absolutamente qualquer relação particular consigo próprio (o que difere da relação com o outro), passa-se diretamente da conversa consigo mesmo a conversa com o outro...”.
 
No Livro de Cecim o processo de interação entre textos (intertextualidade), tanto na escrita como no ato da leitura, ocorre como um desafio dialógico, polifônico, tendo início na inclusão do g na grafia de Homem e Olhar.
 
G: Incógnita
 
1 O símbolo da maçonaria?
2 A 3ª letra do alfabeto grego, gama?
3 Geia, Deusa da Terra, mãe de Cronos. É o símbolo da excelência, estabilidade e segurança?
4 O Grande Arquiteto do Universo, como querem alguns?
5 G (simplesmente geometria, igual em todas as línguas. Geometria: espaço e figuras que podem ocupá-lo). Ciência da Geometria?
6 O conhecimento – gnosis?
 
O homem invocado pelo poeta narrador é este, um ser versado na arte de dialogar, impulsionado pela curiosidade dentro da delimitação cronotópica do texto. Na penumbra de Andara, ele deverá orientar-se no espaço, procurando enxergar/ouvir/sentir as figuras inertes ou em movimento, silenciosas ou sonoras, coloridas ou carentes de cor para não se perder como um simples “omem”:
 
“que teu oglhar veja as cores invisíveis no Livro”, determina o poeta narrador.
 
O oglhar proposto por Cecim me leva à tese de Alfredo Bosi em O enigma do Olhar tentando decifrar o olhar de Capitu, a heroína de Machado de Assis em Dom Casmurro. O autor faz uma distinção entre “ponto de vista”e “olhar”; o primeiro é fixo enquanto o segundo é móvel. O olhar oscila entre abrangente e indeciso. “O olhar é ora cognitivo e, no limite desafiador, ora é emotivo ou passional.O olho que perscruta e quer saber objetivamente das coisas pode ser também o olho que ri ou chora, ama ou detesta, admira ou despreza.”
 
Como que corroborando a hipótese de Cecim, Bosi completa o pensamento: “Quem diz olhar diz, implicitamente, tanto inteligência quanto sentimento.”
 
Cecim, em buscado do interlocutor ideal, acrescenta “g” que, no meu entender, simplifica a ideia de Bosi. Olhar (e ver) implica inteligência, sentimento. “G” é conhecimento do tempo e do espaço. G distingue e interpreta cores.
 
Objeto do olhar e modo de ver são fenômenos de qualidade diversa. O modo de ver dá forma e sentido ao objeto do olhar.
 
Literatura é espelho. O signo é transparente. Os olhos do artista escritor refletem o objeto de sua observação e ou imaginação.
 
No Livro, Andara se estende ao longo das páginas em branco onde o Ser de Espanto manipula as palavras cuja contiguidade e grandes hiatos provocam no presumido interlocutor o desejo de seguir o seu oglhar; um olhar lúcido, ora concessivo, ora lúdico, ora trágico. ... “e os dias passam indo para parte alguma”.
 
Submete o interlocutor às leis do movimento a olhar em todas as direções, às vezes em círculo, em diferentes níveis para deparar os seres do bem e do mal evocados pelo prosador poeta que, num ato de concessão, o imerge na página “fulgurante”, para ser devorado por essa poesia que se alimenta de mistérios. Páginas em branco, promessa de paz e o interlocutor e reconduzido à “Oniausência”, na página 363, para sentir “o espanto de não ser”.
 
Ao recorrer novamente a Bakhtin, eu encontro a originalidade da obra: uma intencional contraposição do estranho com o familiar; o insólito daquilo que é alheio se sobressai representado pelo que é subentendido, habitual, conhecido.
 
Vieira e Cecim
 
No século XVII, do alto do púlpito, o Padre Antonio Vieira conclamava os fiéis à introspecção avisando que para um homem ver a si mesmo eram necessárias três coisas: olhos, espelho e luz. Na falta de um desses fatores o ato de ver ficaria comprometido. O pregador tinha com tal premissa uma intenção religiosa. Cecim tem uma intenção ecumênica. Acompanhe o meu olhar percorrendo Andara até a essência da semente, na página 364. Vieira convoca o homem a entrar dentro de si, e ver-se a si mesmo, dentro da própria semente. Cecim o convoca a oglharo invisível em um espaço infinito, páginas em branco. Vieira cita o espelho como doutrina, a luz, como a graça, os olhos como conhecimento, e Cecim, sem o citar, tem o espelho como o topos(espaço, lugar). Ambos diferem em vários pontos, tendo em vista os objetivos de suas narrativas, mas os discursos convergem quando a animação do sentido obtida através da retóricapode gerar no interlocutor, acostumado à imobilidade diante do texto, uma certa insegurança e irritação com o narrador, como escreveu Janice Theodoro em sua América Barroca, sobre a provocação de Vieira.
 
Por que comparar o trabalho de dois gênios representantes de épocas tão distintas? Pela similaridade de suas mensagens, pelo não dito ensejo a novas interpretações. Cecim faz muito mais. Sendo esta obra um colosso de conteúdos, de significados sugerindo inimagináveis impressões sensoriais, o seu interlocutor, por mais que resista, é instigado a recompor o repertório de insinuações contidas no texto.
 
Vieira é um clássico, preso às palavras disponíveis no século XVII. Cecim, um progressista, não se intimida ante a necessidade de criar ou manipular a escrita, não se perde em convenções. Ambos, cada qual à sua maneira, manipulam, sugerem, provocam o dialogismo. Vieira pretende conduzir o ouvinte/leitor ao paraíso, isento de suas máculas. Cecim já está em Andara, um universo policromático convocando o hogmem a penetrar na Noite da Semente, ouvir o Diálogo dos alimentos do ser, ver o omem de areia, ter a Visão do ssakil na Penumbra de Andara. Ouvir o vento a evocar o que dizia Iziel a Azael “nessas páginas passadas”. A provocação dialógica aqui é com o ser durante a sua existência material. Ambos, Vieira e Cecim, provocam uma introspecção. Cecim vai além, apoia-se na força invisível das cores e, como Sócrates já dizia, “do negro ao branco vai não só a diferença, mas uma oposição absoluta!” Única, superior a todas as demais cores. Ambos, Vieira e Cecim, são repetitivos e nesse exercício levam o interlocutor a desvendar o mecanismo que facilita a superação da figura para substituí-la pelo símbolo.
 
K e G
 
1: K a essência invisível
K é o símbolo que se oferece em silêncio àquele que tenha os olhos do coração aberto
K só se manifesta àquele que tenha o oglho
2: G é a luz
Que teu oglhoveja as cores invisíveis no Livro
G > o conhecimento (gnosis)
G > o grande arquiteto do universo
G > a ciência da geometria/Geometria > espaço e figuras que podem ocupá-lo (é universal)
 
Logo, o poeta narrador determina que o seu interlocutor saiba ocupar o espaço em que se dá a trajetória de sua erudição literária. Figuras, imagens, seres invisíveis, inertes ou em movimento, sonoros ou silenciosos, coloridos ou não. O Livro apresenta uma variedade de discursos, mas todos nascem da mesma matéria: “ó Oniausência” e acabam nela “ó Oniausência” – O escuro da semente e seus enigmas.
 
____________________ 
*Dirce Lorimier Fernandes é doutora em História Social pela USP (Universidade de São Paulo) e autora, entre outros, de A Inquisição na América” (Arké Editora, 2004, SP) e A Literatura Infantil (Edições Loyola, 2003, SP)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Edson Amâncio

Edson Amâncio nasceu a primeiro de janeiro de 1948, em Sacramento-MG, e vive em São Paulo. Pertence à nobre estirpe de escritores (infelizmente em extinção) da qual fazem parte Machado de Assis ("Quincas Borba", "O alienista"), Graciliano Ramos ("Angústia"), Dyonelio Machado ("Os ratos", "O louco do Cati") e Dostoiévski ("Notas do subsolo", "Memórias da casa dos mortos").

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.