Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Autores Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Mariano Azuela
Página publicada em: 17/04/2021
Escritor mexicano do século XX dos mais fecundos, de aguçada preocupação social; seus romances rompem os limites do gênero épico e constituem-se num marco inquestionável da Literatura latino-americana. Na apresentação desta primeira edição brasileira de "Os de baixo", outro grande escritor mexicano, Carlos Fuentes, escreve: "Debaixo dessa lápide de séculos saem os homens e mulheres de Azuela: são as vítimas de todos os sonhos e todos os pesadelos do Novo Mundo".
Imagem
Mariano Azuela, médico e romancista, nasceu em Lagos de Moreno (1873) e faleceu na cidade do México (1952). Com o romance Los de abajo (1915) e um conjunto amplo e diversificado de obras, que vão da novela, teatro até à crítica, é considerado o maior expoente do chamado “Romance da Revolução Mexicana”.
 
Estudou medicina em Guadalajara, Jalisco. Após a queda do governo de Francisco I. Madero, na sequência do golpe de Victoriano Huerta, juntou-se à causa Constitucionalista, que procurou restaurar o estado de direito. Seu envolvimento no conflito deu amplo material para escrever Os de baixo, impressionante afresco dos sísmicos tremores que sacudiram a sociedade mexicana na primeira parte do século XX.
Em Fracasados (1908) e Mala yerba (1909), Azuela retratou a tensão social que precedeu a eclosão da luta armada. Com sua clareza para apresentar fatos, o tom inegável de crítica social e oposição à ditadura de Huerta, Os de baixo inaugura um estilo novo — em sintonia com a luta armada na qual se destacam quadros rápidos, violentos, realistas, em que predominam o caos, a cólera e o afã de vingança — de um gênero cuja prática estendeu-se até o século XX, com títulos como Pedro Páramo (Juan Rulfo) e A morte de Artemio Cruz (Carlos Fuentes).
 
Pelo seu intenso apelo como depoimento, Os de baixo foi traduzido para várias línguas.
Depois da publicação de Os de baixo, Azuela avançou em seu estudo da vida mexicana nas áreas rurais e urbanas, meios agrícolas e família política. As obras desse período são amargas e nunca estão livres de uma ironia cruel. A esse período pertencem as novelas Os caciques (1917), As moscas (1918), As tribulações de uma família decente (1918), Nova burguesia (1941), A marchanta (1944), A mulher domada (1946) e A maldição (1955).

Sua filiação maderista levou-o a ser nomeado chefe político de Lagos, cargo ao qual, todavia, renunciou, desiludido com a “nova política”.
Com a morte de Madero e perseguido por seus inimigos políticos, Azuela incorporou-se às forças villistas de Julián Medina. De suas experiências como militar e do que contemplou no campo de batalha surgirá o tema para Os de baixo, publicado primeiro em folhetim no Texas.
Após a derrota do legendário Francisco “Pancho” Villa, como ficou conhecido Doroteo Arango, Azuela refugiou-se em El Paso, Texas. Em 1916, já afastado da política, regressa à cidade do México para exercer a medicina e escrever mais disciplinadamente. Atendendo numa casa beneficente da colônia de Peralvillo, dedicou-se a observar o meio que o rodeava, colhendo anotações que utilizaria em várias de suas novelas.
Escritor visceralmente comprometido com “a verdade”, sobre si mesmo escreveu: “Em meus romances exibo virtudes e vícios sem paliativos nem exaltações, e sem outra intenção que a de dar com maior fidelidade possível uma imagem fiel de nosso povo e do que somos”.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Fiodor Mikhailovich Dostoievski

Já na estreia, com "Gente Pobre", publicado quando Dostoievski tinha apenas 25 anos, o crítico mais influente da Rússia, Vassilión Bielínski, vaticinou o surgimento de um gigante da literatura, comparável a Gógol e Pushkin, considerados os maiores escritores da Rússia. Recebido como “a primeira tentativa de se fazer um romance social” no país dos czares, "Gente Pobre" entretanto já prenunciava a incisiva e subterrânea sondagem psicológica da humanidade ‘humilhada e ofendida’ que se observa em todos os seus romances, e que levou o pai da psicanálise, Sigmund Freud, a considerar "Os Irmãos Karamazov" (1879) a “maior obra da história”.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.