Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Artigos

Fonte maior
Fonte menor
Uma extensa e densa aula de Amazônia
Página publicada em: 10/03/2008
Oscar D'Ambrosio*
(Resenha publicada no "Jornal da Tarde", 20/5/2000, Caderno de Sábado, São Paulo)
 
A crítica literária é unânime em considerar Vidas Secas, do alagoano Graciliano Ramos, como uma das mais importantes obras já escritas em língua portuguesa. O maior argumento é que o livro, principalmente em seu estilo, é um retrato do Nordeste brasileiro. A história de Fabiano, Sinhá Vitória, os meninos e a cadela Baleia fica em segundo plano perante o vocabulário conciso e o fraseado árido análogo à seca do sertão.
 
A Espera do Nunca Mais, romance de estréia de Nicodemos Sena, paraense de Santarém, realiza fenômeno semelhante com a Amazônia. A saga dos caboclos da família Bagata é o menos importante perante a prosa voluptuosa de um autor que conseguiu desenvolver um estilo que permite ao leitor visualizar a forma de ser das pessoas que habitam o Norte do País.
 
A crítica local não economizou elogios e o vem considerando a maior revelação da literatura regional nos últimos anos. O entusiasmo se justifica. No intenso trabalho de escrever e aprimorar seu estilo, Sena conseguiu fugir dos estereótipos que cercam a Amazônia. Seu grande medo, como confessa em entrevistas, era cair no exotismo que geralmente devora aqueles que se aventuram a escrever sobre a região. O resultado final, no entanto, atinge plenamente a busca de um estilo próprio de se debruçar sobre os homens e os problemas amazônicos.
 
Embora a Amazônia domine a narrativa, principalmente pelo vocabulário específico, que demandou a elaboração de um glossário incluído ao final do livro, há uma personagem que merece uma atenção especial, Diana. Ela é a grande figura feminina da obra – encarna as qualidades e mistérios intrínsecos da região amazônica, pois seu fascínio arrebata, mas também pode levar ao sofrimento ou à morte.
 
O livro é dividido em três partes, tendo seus melhores momentos no período entre a década de 1950 e os anos mais negros da ditadura militar. Basta, porém, ler algumas linhas para já se sentir ambientado no Norte do País. É o que ocorre logo no início da obra, quando o personagem Gedeão salta da rede e tropeça em alguns “paneiros de farinha empilhados no piso de chão-batido da casa”, procurando a “tênue claridade que penetrava pela porta de palha”.
 
A casa do caboclo Gedeão é uma aula de Amazônia. Feita de madeira e palha, é amarrada com cipós e enviras, sem o uso de um único prego. Os quartos são estreitos e as portas, baixas, “uma terrível armadilha para as testas desavisadas”. Não há janelas e os objetos que dominam a casa são a garrafa com água, a lanterna de pilha e a espingarda.
 
Embora o livro não seja um documento jornalístico ou sociológico, reúne as qualidades de ambos, pois apresenta dados para compreender melhor o cotidiano dos moradores da Amazônia. Um exemplo está na página 317, onde é narrado como uma sucuriju enorme engole um sapo. É descrito como este último “enchia-se de ar, ficava mais grosso, não queria passar pela goela da fera, mas ia passando”. Como último esforço, o pequeno sapo “ainda abriu as perninhas na esperança de ficar entalado na garganta da cobra”. No entanto, “com as perninhas cansadas”, finalmente sucumbiu à força descomunal da fera.
 
A imagem é uma metáfora do livro. Ele desafia e devora o leitor desde o início. Feito sucuriju, abre sua bocarra e obriga a penetrar num universo denso. Não adianta resistir. Uma vez dentro da boca deste livro-serpente, o destino é conhecer os seus interstícios plenos de um fazer artístico solidamente urdido, elaborado com mãos de mestre.
 
Mas o romance não é apenas uma declaração de amor à natureza ou ao homem do Amazonas. Questões sociais permeiam o livro com precisão, abrindo chagas na História nacional. Quem desejava conhecer o melhor da literatura sobre o Amazonas tinha que passar por A Selva, de Ferreira de Castro; Marajó, de Dalcídio Jurandir; Cabanos, Capital: Cabânia, de Santana Pereira, e Márcio Souza, com seu já clássico Imperador do Acre. Agora, para alegria de todos que amam a literatura nacional, A Espera do Nunca Mais é uma nova parada obrigatória rumo ao conhecimento filosófico e existencial da Amazônia.
 
___________
*Oscar D'Ambrosio é jornalista, crítico literário e autor de Os Pincéis de Deus (Ed. Unesp)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Fiodor Mikhailovich Dostoievski

Já na estreia, com "Gente Pobre", publicado quando Dostoievski tinha apenas 25 anos, o crítico mais influente da Rússia, Vassilión Bielínski, vaticinou o surgimento de um gigante da literatura, comparável a Gógol e Pushkin, considerados os maiores escritores da Rússia. Recebido como “a primeira tentativa de se fazer um romance social” no país dos czares, "Gente Pobre" entretanto já prenunciava a incisiva e subterrânea sondagem psicológica da humanidade ‘humilhada e ofendida’ que se observa em todos os seus romances, e que levou o pai da psicanálise, Sigmund Freud, a considerar "Os Irmãos Karamazov" (1879) a “maior obra da história”.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.