Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Artigos

Fonte maior
Fonte menor
Na úmida engrenagem do dizer
Página publicada em: 20/03/2008
Acyr Castro*
Resenha publicada em "A Província do Pará", em 26/4/1999
Lendo, com atenção e cuidado, também com satisfação, uma antologia muito interessante de versos que me chega de Mogi das Cruzes, em são Paulo, impresso no fim do ano passado no Rio de Janeiro Das considerações inominadas ou Anotações sobre coisas humanas, de Edivaldo de Jesus Teixeira.
Na contracapa, um poema que parece dizer tudo.

Busco nos espelhos a vasta aurora
a branca, a transparente, a outra banda.
Aquela em que o universo se explica
como o abismo onde o vazio se expande.

Há um traço próprio nesse poema, do prosaico ao estritamente poético, na ânsia de evitar o banal, o inútil, o frívolo, e na procura do profundo, do que mergulha no mais secreto e mais íntimo. Um mergulhar que vai fundo cada vez mais.

Busco nos espelhos a outra face
a ilógica, a terrível, a impenetrável.
Aquela em que a morte me acene
e as águas, e o tempo, e o mais que dúctil.

Nada de romantismo, de fantasista, de ilusório. Ao contrário, sinto e pressinto nesses versos a precariedade, todavia o forte da densidade. Romântico, sim, porém na linha da escola alemã que permitiu a um pensador como Walter Benjamin enxergar na poesia uma modalidade específica de auto-conhecimento.
O poema da quarta-capa é cristalino, a meu entender:

Busco nos espelhos a única síntese
a absurda, a imponderável, a espantosa.
Aquela em que os sentidos em seu espesso dia
sangrem como chagas dolorosas
e se estendam até o jardim das utopias.

Não existe algo de Mário Faustino nessas considerações inominadas? No entanto, vê-se que Edivaldo de Jesus Teixeira tem a sua especificidade pessoal, e que suas anotações sobre coisas humanas ganham relevo particular, severas, complexas, de uma riqueza que tem cara e corpo de um poeta outro.

Um poeta que não precisa copiar ninguém e que, a cada verso, define timbre e dicção muito seus, maduramente pensados, fluentemente executados:

Ao sul do meu corpo
passam noites de vício
Ao norte do meu corpo
faz um tempo de sílabas
A leste do meu corpo
há bússolas  no domingo
A oeste do meu corpo
jogam búzios no mediterrâneo.

Abre comportas o poeta "às portas do caos" e, no aceso da cidade e da "noite de ferro e  luar", o que quer, afinal,  é consubstanciar a palavra e tecer, no âmago de si mesmo, o tecido de um fluir vivo que jamais cessa de começar; despidos de todos os disfarces e "as escuras foices da desarmonia" e do ódio "de mãos crispadas". Voltarei a ele a qualquer instante, hei de voltar...
 
___________
*Acir Castro é escritor, jornalista e crítico; autor, entre outros, de O detalhe da da forma (Ed.Cejup)   
          

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Clauder Arcanjo

Clauder Arcanjo nasceu em 1963 em Santana do Acaraú (CE), mas se radicou em Mossoró (RN), onde assina uma crônica semanal no jornal “Gazeta do Oeste”. Engenheiro da PETROBRAS e gerente de plataforma, dividido entre a terra e o mar, Clauder consegue, apesar disso, florescer inteligência e beleza no solo mais improvável, e realiza o prodígio de fazer da Literatura o leitmotiv de sua existência, provando que “o Brasil não é só litoral”, como canta o poeta.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.