Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Na Imprensa

Fonte maior
Fonte menor
A cinza dos afogados
Página publicada em: 16/04/2008
Por Manuel da Costa Pinto*
Poesia metafísica a partir da realidade da periferia ("Folha de São Paulo", caderno Ilustrada, seção Livros, coluna Rodapé Literário, 5/4/2008)
Nos últimos anos, surgiram inúmeros artistas oriundos dos espaços sociais conflagrados, periferias e morros. Do movimento hip hop a Paulo Lins e Ferréz, esta produção teve recepção hesitante – como se o fato de representar a voz de quem não tem voz constituísse seu principal mérito.
 
Até um poderoso artefato narrativo como “Cidade de Deus” foi qualificado, na primeira edição, de “romance etnográfico”, forma ambígua de singularizar seu impacto e evitar comparações. Já a poesia não tem o álibi de uma trama costurada ou da denúncia social; seu valor está no corpo a corpo com as palavras.
 
Por isso, tantas antologias de poetas da periferia valem apenas por trazerem poetas da periferia...  E, também por isso, um poeta como Marcelo Ariel, autor de “Tratado dos Anjos Afogados”, deve ser saudado como acontecimento sem precedentes.
 
Não há qualquer condescendência em dizer que esse escritor negro, de 40 anos, mora em Cubatão, na baixada santista, onde vive de um ‘sebo itinerante’. Pois se o livro reúne bom número de poemas sobre chacinas e presídios, o teor testemunhal se conecta a outros martírios e nos restitui ao coração de um fracasso maior, que funda a experiência poética moderna.
 
Na série “Vila Socó: Libertada”, os poemas partem de uma tragédia real – o incêndio provocado na favela de Cubatão por um oleoduto, em 1984 –, mas se transformam em urna funerária na qual os corpos em combustão se juntam às cinzas deixadas na história e na literatura.
 
Assim, em “Caranguejos Aplaudem Nagasaki”, uma Beatriz saída dos círculos infernais de Dante vaga por essas ruínas em chamas, essa Pompéia tropical que é também símile do genocídio nuclear e outros holocaustos.
 
A narrativa de Ariel é ora cinematográfica, ora espasmódica – e sempre saturada de uma erudição selvagem, citando lado a lado Kafka, Cy Twombly, Paul Celan, Cronenberg e Nuno Ramos.
 
Na seção “Scherzo-Rajada” está um poema longo como “O Soco na Névoa” (que começa com a seqüência “Fumando uma idéia/ dentro desse açougue/ metafísico”) e, ao final, poemas em prosa de caráter elegíaco, lamentos pela “nossa presença cada vez mais anulada pela nomeação”. Marcelo Ariel transpira uma autenticidade que nada tem que ver com sua origem social – e sim com o modo como responde ao massacre do mundo efetivo. 
____________________ 
*Manuel da Costa Pinto é crítico e jornalista

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.