Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
A paixão segundo M.S.
Página publicada em: 25/07/2008
Nelson Hoffmann*
Neste texto, o cronista de Roque Gonzales(RS)comenta a vida e a obra de um dos mais respeitados intelectuais "missioneiros"

 
Sei, sei, o título acima é plágio da Clarice Lispector: A Paixão Segundo G. H.
Assim mesmo, uso-o, pois que me é o melhor, no momento. Devo conversar sobre o Mário Simon, o M. S. do título, e quero ser entendido. Com ou sem originalidades.
 
A fama de Mário Simon chegou-me cedo. Depois, um dia, acompanhei-lhe uma entrevista, na tevê, sobre as Missões Jesuíticas e fiquei impressionado com a amplidão dos seus conhecimentos. Mais um pouco, e o amigo Borck emprestou-me O Caminho da Pedra. Por ele, acompanhei a sina do índio rio-grandense e vislumbrei a saga do imigrante alemão; ante meus olhos desenrolou-se, em contraponto, o vasto painel europeu e o triste abandono missioneiro.
 
Até hoje, vagueio os olhos pelas distâncias, buscando ultrapassar os horizontes do final do livro.
Um dia, era 18.04.96, uma quinta-feira, em Dezesseis de Novembro, durante o 1º Seminário Regional de Literatura, conheci, pessoalmente, Mário Simon. Assisti-lhe a palestra sobre Basílio da Gama e O Uraguai. E concluí que a  fama perdia  para a realidade: esta era maior. O que, aliás, foi confirmado um ano depois, em nova palestra, aqui, em Roque Gonzales, quando do 2º Seminário Regional de Literatura.
 
Além de O Caminho da Pedra, Mário Simon tem publicados um livro de contos, Lindeiro, e dois volumes sobre a história das Missões: Breve Notícia dos Sete Povos e Os Sete Povos da Missões - Trágica Experiência. É assíduo colaborador de jornais e revistas, professor universitário e escritor premiado. Um dos mais respeitados intelectuais missioneiros.
 
Agora, Mário surgiu-me com o livro Passionário, uma reunião de contos e crônicas, já publicados ou inéditos. Sacudi-me à vista do livro, da capa e do título. A capa, um expressivo detalhe de um quadro impressionista de Edgar Degas. E o título seria mesmo Passionário? Passionário, do latim “passio”? “Passio”, que origina “paixão”, que é um sentimento ou emoção levados a um alto grau de intensidade, sobrepondo-se à lucidez e à razão? Assim como no detalhe do quadro de Degas?
 
Pois era. E é. Passionário é livro de pura paixão. Apaixonado e apaixonante. Como o solitário mestre Edgar Degas perseguia os flagrantes da vida para encontrar a Verdade, Mário Simon capta os detalhes da gente missioneira para definir-lhes a Humanidade. À medida que se avança na leitura, vão nos  assustando as assombrações na fumaça da lua, os fantasmas do inconsciente da solidão, a mítica zoari da Sexta-Feira Santa. Angustiam-nos os vazios do sexo insatisfeito, o suplício dos amores irrealizados, o  fracasso  encurralado  ao  rés  do chão. E o  grotesco da inútil abnegação, o ridículo da semana do freguês nos levam a risos regados a lágrimas.
 
E o que dizer, então, de Pérola? A Pérola de todos nós, a Pérola de ninguém? A desejada, a sonhada, a inalcançada Pérola? A Pérola falsa, a oferecida, a insaciável? A menina, a velha, a virgem? A Pérola mulher, a mulher pérola, a eterna Mulher.
 
Li o livro de uma assentada só. Enquanto lia, eu me lembrava de tantos mestres: Darcy Azambuja, João Simões Lopes Neto... Dalton Trevisan. E Kafka, sim, por que não? “A Porta” é  puro kafka.
 
Também, eu lia e me questionava sobre o que era mais gostoso no livro: a história narrada ou a narração da história? O que era melhor: o conto ou a crônica? Por acaso, eu já vira alguém cronicar tendo piedade de uma velha bigorna abandonada, sem serventia, muda? E onde lera eu um conto de tão sublime beleza trágica quanto O Silêncio da Honra?
 
Pois, este era o novo e melhor Mário Simon que eu estava descobrindo. Um Mário apaixonado pela essencialidade humana, desvendando toda a miséria e toda a grandeza da nossa condição. O ser humano é a grande paixão de Mário Simon. 
 
         Roque Gonzales, RS, abril/1999.
 
__________________
*NELSON HOFFMANN é professor, escritor e crítico do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e O homem e o bar (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Carlos Nejar

Poeta, romancista e ensaísta, da Academia Brasileira de Letras, um dos nomes de maior projeção dentro e fora do Brasil, aclamado pela crítica. No dizer de Antônio Houaiss: "Essa criação tão intensa, tão passional (da condição humana) busca, com homo sapiens, atingir os ápices da solidariedade humana. O que não é dado, em todos os tempos, senão a poucos - a esses em cuja normalidade há um quantum de loucura e outro tanto de santidade". Traduzido em várias línguas, tem sido estudado nas universidades do Brasil e do exterior.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.