Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
A poesia que vem da terra
Página publicada em: 21/09/2008
Nelson Hoffmann*
"A novidade de não ser novo" na poesia de Artemio Zanon

 
Há um bocado já, recebi o livro Tempo de Execução, de Artemio Zanon. Contemplei a capa, meditei o título: o marrom da terra, da pedra; o poste da cerca; o tempo de que execução?
 
Abri o livro e a resposta saltou-me clara:
 
A poesia é!
 
Liberto-me ao gerá-la:
— em amá-la
e a proclamá-la
é meu tempo de execução.
 
Fechei o livro e tornei à meditação. Reabri o livro e atingiu-me:
 
Lavra dura
sal e sol
 
Lavrador
fere a terramada
 
Lavra a dor
 
Sulcastigo
instiga a fome:
 
Lavradura.
 
— Lavra dura?
O livro ficou-me pendendo das mãos, os olhos fugiram-me para o alto. Recostei-me, estendi as pernas. Afinal, estava eu diante do mesmo Artemio Zanon, já um pouco conhecido, ou estava eu diante de um novo Artemio Zanon, ainda desconhecido? Parodiando o velho Bruxo do Cosme Velho:
 
— Mudou o Zanon ou mudei eu? 
 
A primeira informação que tive de Artemio Zanon, veio-me de um pequeno, mas valioso, livro de Janete Gaspar Machado: A Literatura em Santa Catarina. Depois, um dia, soube que Videira, ex-Perdizes, terra onde nasceu Zanon, era chão emancipado de Campos Novos, minha terra de estimação nas plagas catarinenses. Dobrei de interesse por Artemio Zanon, mas não lhe descobri a obra. Sabia alguns títulos, mas não os achava.
 
De repente, em outubro de 99, a surpresa: Cinco Poemas Dramáticos, do próprio Artemio Zanon, com autógrafo e tudo.
 
O livro era um belo livro. Por toda a parte, detalhes do cuidado do Autor em sua impressão. Desde a apresentação primorosa, a revisão feita pelo mesmo, a criação da capa, tudo. Eu estava diante de um autor que não se contentava  com a simples escritura do texto. Artemio Zanon acompanhava sua obra desde o germe da concepção até a emancipação para a vida autônoma. Isto era ser um autor por inteiro.
 
Cinco Poemas Dramáticos são, mesmo, cinco poemas em um só livro. E eu não precisei abrir o livro para adentrar a poesia. Os títulos dos poemas já cantavam por si: “A Rosa Ferida”, “Romança da Bengala Amarela”, “Enquanto o Filho não Nasce”, “Da Morte e da Guerra”, “Catariníada”.
 
Fui à leitura e mergulhei no tempo. Voltei milênios na história, tornei a eras distantes.  Bebi a poesia na própria fonte. Naquela fonte pura, original, a única verdadeira, a fonte que brota do coração da terra. E do tempo.
 
A poesia de Artemio Zanon é uma poesia de múltiplas faces, por muitos ângulos pode ser abordada. E este detalhe já é um detalhe da mais alta poesia. É poesia que não se esgota numa primeira leitura, sempre tem véus a baixar. A poesia, em sendo poesia, sempre desvenda mistérios e sempre mistérios mais apresenta. É sempre velha como a terra que pisamos, é sempre nova como o sol do amanhecer.
 
Eu amo dois aspetos na poesia de Artemio Zanon: a novidade de não ser novo e  a força que vem da terra. Num tempo em que os assuntos parecem esgotados e muito formalismo estéril campeia por aí, esse poeta não titubeia em nos contar histórias de antanho em formas de igual tempo. "A Rosa Ferida" reconduziu-me à Idade Média e acalentou-me com  a  beleza  doce  de  suas  quadras, dedilhadas por vinte e dois cantos. E a romança, meu Deus do céu!, essa “Romança da Bengala Amarela”, data de quando, vem de que século? “Enquanto o Filho não Nasce” fez-me voltar a Dante Alighieri e seus tercetos de A Divina Comédia, onde permaneci com “Da Morte e da Guerra”. E, então, o que dizer da homérica força desse poema de hoje: “Catariníada”?
 
Aí está: poesia tão velha, novíssima!
Sou filho da terra, sou pedaço, grão. Dessa terra que é
(Também) Mãe de nossas bocas
(…)
desde que viemos a termo
 
Dessa terra que é a mesma terra que perpassa a poesia de Artemio Zanon, de ponta a ponta, nutrindo-a como seiva, sendo-lhe a própria poesia. Até a palavra explicativa do Poeta, na abertura, é uma fala telúrica: …, capinando poesia,(…), lavrando, semeando, tratando poesia e (…). O primeiro poema abre com 
 
Ao cantar a natureza;
a “Romança” inicia
No campo que foi arado
para receber semente.
 
Ao filho que ainda não veio, considera:
 
se não distingues manhã,
chuva, vendaval, ardência?…
 
E o “Catariníada”, então, é lamento, dor, imprecação, fúria:
 
Nada de histórias (utópicas)
Nem me doutrinem lições
Nem me venham com discursos
E aquele aviso supremo:
 
A bala está no cano
a fala está no humano
e a guerra está na terra.
 
Viro e reviro o livro: “Tempo de Execução”… Na contracapa, a preferência de Paulo Derengoski:
 
Nunca a sabotagem
mas o soco;
nunca o anonimato
mas o ato.
 
Dentro de mim, martela:
 
— A bala está no cano… a guerra está na terra.
 
Desde sempre. Na utopia das Geórgicas, de Virgílio, nas andanças do Antigo  Testamento, da Bíblia. E antes ainda. Desde sempre. E hoje. Agora.
 
— Então, onde a mudança, quem mudou?
 
Reabro o livro. Mais uma vez. Folheio, deparo:
 
Da palavra
extraio a lavra
 
Artemio Zanon foi lavrador na rude infância. E, vejo, continua lavrador. Sempre lavrador. Um lavrador definitivo, abrindo sulcos na terra da permanência. Literária.  
 
                    Roque Gonzales, RS, dezembro/2000.
 
__________________
*NELSON HOFFMANN é professor, escritor e crítico literário do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e O homem e o bar (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Cyro de Mattos

Autor premiado e consagrado pela Crítica. Dono de estilo denso e labiríntico. Legítimo representante do que há de melhor na narrativa produzida na região cacaueira do sul da Bahia. Segundo Alceu Amoroso Lima, Cyro de Mattos tem uma "extraordinária capacidade de dar aos aspectos mais típicos da realidade nacional, em estilo profundamente impregnado da nossa fala brasileira, a revelação de um escritor visceralmente nosso... admirável ficcionista".

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.