Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
Por linhas tortas
Página publicada em: 07/10/2008
Nelson Hoffmann*
A vivência difícil e sofrida do homem interiorano, e seu linguajar, nos livros de Enéas Athanázio, um "fantástico contador de histórias"
 

 
Meu filho Diego casou e mora em Campos Novos, Santa Catarina. Desde o início dos anos 70 eu conhecia o Estado de Santa Catarina praticamente inteiro. Mas, só na virada de 80-90, adentrei os Campos Gerais e conheci a legendária São João Batista dos Campos Novos. E ali deixei meu filho Diego, por motivos de futebol. Até hoje.
 
Em Campos Novos, o Diego deu-me a Sinara por nora e, ambos, o Eduardo por neto. E foi justamente a Sinara que me alertou para um escritor campos-novense famoso, de quem a biblioteca da cidade estava recheada de livros. Questionei-lhe o nome e ela disse:
 
— Enéas Athanázio.
 
Eu não sabia quem era. Ela encarregou-se de me arranjar o endereço. Um dia, avisou: Balneário Camboriú. E acrescentou-me o telefone.
 
Contatei. Aos poucos, Enéas Athanázio e eu trocamos correspondências, impressões, livros. Lemo-nos. Agora mesmo, terminei de reler (mais uma vez) São Roque da Ventania. Antes, eu já me deliciara com O Aparecido de Ituy, depois de divertir-me com Tempo Frio.
 
Em verdade, Enéas Athanázio é um fantástico contador de histórias… de histórias, por vezes, fantásticas. Como é o caso, por exemplo, dessa bela narrativa que é São Roque da Ventania.
 
A maestria de Enéas já aparece antes e sua obra é imensa. Destaco, aqui, Tempo Frio, um livro de causos simples, curtos e secos. Muitos são quase anedotas. Seriam anedotas se não traduzissem exatamente o que Enéas quer mostrar: a vivência difícil e sofrida do nosso homem interiorano. Vida primária, inclusive no linguajar.
 
O Aparecido de Ituy é um livro de contos que realmente impressiona pela solidez das narrativas. E o fantástico começa a entrar em cena. De cara, temos o kafkiano “Corcus”; a seguir, o realismo brutal, mas não menos verdadeiro, de “Pisando no Tubinho”; depois, passando por cenários e costumes nossos de cada dia, encontramos uma antológica descrição de um baile/namoro do interior, em “Um Alarifo”; por fim, o conto-título nos patenteia o tão freqüente surgimento de movimentos messiânicos. O próprio texto faz referência a Canudos e ao Contestado. Poder-se-ia acrescentar os “Mucker”, do Rio Grande do Sul, sem esquecer que se está em fim de século e milênio, e tais messianismos estão aí, embora sob roupagem diferenciada.
 
São Roque da Ventania é uma novela exemplar. Desde a primeira até a última palavra nada há que  tirar nem pôr. Os personagens são traçados com absoluta correção; tempo e espaço participam de comportamentos e enredo. Este focaliza os imigrantes germânicos Lamão e Trudi, que progridem; ao redor, evolve o demais. Tudo se integra.
 
O destaque da novela fica para Priano, o Cipriano de Oliveira Cruz, personagem que, totalmente solitário e sempre crescendo em rejeição social humana, se animaliza, caminhando para a socialização animal. É a confirmação da sentença de Aristóteles: O homem é um animal racional e social. A “animalização” de Priano é delineada desde as primeiras linhas e cresce em precisão até o impacto final. É fantástico.
 
Enéas Athanázio é um Regionalista inserido no Realismo Fantástico universal. O que, convenhamos, não é pouco. Quantos autores conseguiram, ou conseguem, utilizar as gentes e modos de suas terras e aldeias e deles extrair personagens e temas universais?
Enéas Athanázio já conseguiu.
 
Volto, retorno. Já confessei minha ignorância: eu não sabia quem era o ilustre filho de Campos Novos. Foi preciso que meu filho Diego inventasse de jogar futebol nessa cidade para que eu vislumbrasse o fantástico mundo athanaziano. Assim, por linhas muito tortas, pois que bem distantes da arte impressa em livros, terminei por encontrar um dos mais significativos nomes das Letras Contemporâneas: Enéas Athanázio.
 
                               Roque Gonzales, RS, maio/1999.
 
___________________
*NELSON HOFFMANN é professor, escritor e crítico literário do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e O homem e o bar (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Nelly Novaes Coelho

Nelly Novaes Coelho nasceu na capital de São Paulo, em 17 de maio de 1922, pouco depois da Semana de Arte Moderna. Em 1960, inicia a carreira de docente universitária, como professora-assistente do Prof. Antônio Soares Amora, área de Literatura Portuguesa. Em 1961, acumula esse cargo com o de professora titular de Teoria da Literatura, na Faculdade de Letras de Marília (onde lecionava nos fi ns de semana). Segue a carreira universitária: doutora em Letras (USP, 1967), livre docência (USP, 1977). Professora-adjunta (USP, 1981) e professora titular de Literatura Portuguesa (USP, 1985). Nesse período, inicia-se como crítica e ensaísta literária, colaborando no Suplemento Literário de “O Estado de São Paulo”. Especializa-se em Literatura Contemporânea (portuguesa e brasileira). No decorrer de sua carreira acadêmica, entrega-se à docência e à crítica, publicando em jornais e revistas do Brasil e do exterior. É reconhecidamente uma das mais importantes críticas literárias e conferencistas de literatura brasileira e portuguesa no Brasil.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.