Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
A poesia é a poesia
Página publicada em: 28/10/2008
Nelson Hoffmann*
Ao comentar livro de poemas do catarinense Alcides Buss, o cronista gaúcho se lembra de Gertrude Stein e seu "processo de abstração da palavra (...) que é a busca do valor exato e potencial da palavra"
 
Volto ao “Mestre Alcides”, como é chamado Alcides Buss. Já lhe fiz referência em outra ocasião, lembro. Foi um toque rápido, de informação, um aceno ao livro Cinza de Fênix & Três Elegias. Só. E, parece-me, já vai para um ano o tempo.
 
Depois, soube, o livro andou disputando as finais do Prêmio Jabuti 2000. Não levou, soube também, mas é assim mesmo: prêmio é prêmio e o que passa pela cabeça dos julgadores nem sempre passa pela cabeça dos torcedores. Dos leitores. Dos apreciadores da boa poesia.
 
Alcides Buss é catarinense de Rio do Sul e sua poesia é das melhores deste país. Autor de uma obra que já se aproxima das duas dezenas de livros, é professor da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, diretor da editora universitária e intenso ativista cultural. Daí o dizer de Regina Carvalho: Sempre foi Mestre Alcides porque sempre fez muito mais do que ser poeta.
 
Por meados de abril do ano passado, uma surpresa: um cartão de Alcides Buss. Confessava-me o interesse em visitar as Missões e perguntava-me por roteiros, atrações, lugares e hotéis. É claro que respondi, prazeroso. E já contava eu com visita e bate-papo.
 
Nada aconteceu, a greve das universidades federais adiou tudo. Restou a troca de correspondência, sempre um gesto de fazer feliz. Até que, um dia, o acréscimo: convite para o lançamento do livro Pomar de Palavras.
 
— Pomar de Palavras… — devaneei.
 
Voltei ao Cinza de Fênix. O livro está dividido em duas partes, cada parte, em trinta cantos. A primeira parte intitula-se “O Poema”; a segunda, “O Poeta”. A forma de expressão poética é vária, não está sujeita a movimentos artísticos preestabelecidos, embora a todos perpasse. Assim, na ultrapassagem, carregando consigo o já estabelecido, o poeta inova em criação artística e síntese poética.
 
Na primeira parte, o poeta define o Poema; na segunda, o poema explicita o Poeta. Na definição do Poema, o poeta é direto na abordagem, crescendo sempre em metáforas, símbolos e  desvelamentos:
 
O poema é a lança
O poema é o som
O poema é o sim
O poema é flâmula
O poema é quase nada
O poema é o limo
O poema é o salto
O poema é o açoite do vento
O poema é o delírio
O poema é o gume
O poema é o rio
O poema é o lábio
O poema é um grão
O poema é a cinza
de Fênix (…).
 
Repeti:
 
— Cinza de Fênix?!…
 
Fênix e suas cinzas faz parte da mitologia clássica e remonta ao velho Egito. Daí, pelos gregos, chegou aos romanos. Pelos padres da Igreja, chegou até nós. Basicamente, o mito é a crença numa ave fabulosa e única, que vivia no meio dos desertos da Arábia. Quando sentia avizinhar-se a morte, construía um ninho de plantas aromáticas, que os raios do Sol incendiavam, e nele se deixava consumir. Da medula dos ossos nascia então um verme que se transformava em outra Fênix.
 
Esse símbolo do pássaro, que se consome no fogo e renasce das cinzas, foi aproveitado pela Igreja. Tornou-se um símbolo de Cristo, da ressurreição que vence a morte e, de modo geral, da imortalidade.
 
Para Alcides Buss, é a imortalidade da Palavra. Do Verbo. Que é Deus. Pois,
 
O poema, qual Deus,
atravessa
         
                o  deserto.
 
A segunda parte, “O Poeta”, é um passeio pelo fazer poético. O autor faz poesia sobre aqueles que fizeram poesia. Como eles fizeram. Em outras palavras, um pouco estranhas: “o poeta poetiza os poetas”. Com a própria arma dos poetas, na esgrima peculiar de cada um. E questiona:
 
A poesia é uma;
as poéticas, muitas.
 
Com qual, dentre elas,
acerta o poeta?
 
Começa pelo fim, com Rimbaud:
 
Em maio há borboletas
e Rimbaud(…).
 
Jorge Luis Borges, Emily Dickinson, Pessoa, Drummond, Baudelaire… Neruda, William Carlos Williams, Ezra Pound… Cummings. Maiakovski, Leminski, Mallarmé… William Blake, Leopardi, Goethe… Camões, Dante, Virgílio… Por fim, o começo:
 
De Adão, proto-poeta,
emana a brisa,
unindo ao que passa
um semblante que fica.
 
E vem a chave:
 
Não servisses pra nada,
       Poesia,
mesmo assim imensamente
servirias,
 
      mesmo interdita,
      mesmo ignorada.
 
Em Alcides Buss, a poesia é a poesia. Esta afirmação lembra-me Gertrude Stein e seu processo de abstração da palavra, em que as palavras agem como querem agir e como têm que agir quando têm que viver. Processo de abstração que é a busca do valor exato e potencial da palavra. Por vezes, em reiteração, assim:
 
— A poesia é a poesia é a poesia é a poesia…
 
  
                                     Roque Gonzales, RS, janeiro/2001.
 
___________________
*NELSON HOFFMANN é professor, escritor e crítico literário do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e O homem e o bar (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.