Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
Mestre + Amigo = Parente?
Página publicada em: 05/06/2009
Nelson Hoffmann*
Vida e Literatura. Literatura e Vida. E a boa lembrança do professor Sírio Possenti, da UNICAMP, e os livros com que este presenteou o cronista: "Por que (Não) Ensinar Gramática na Escola" e "Os Humores da Língua"

 
Foi lá, na casa do meu filho Diego, em Campos Novos. Um dia desses. Chimarreávamos. Dentro de casa. Fora, sibilava um ventinho com fio de navalha. Por vezes, garoava. Parecia neve chegando.
 
Por desfastio, olhávamos velhas fotografias. E outras, nem tanto. Era mais um jeito de entreter conversa, de esperar que o tempo mudasse de cara. A friagem penetrava ossos e almas.
 
Atentei numa lembrança. Franzi a testa em concentração, fitei minha nora:
 
– Sinara, deixa ver de novo aquela foto.
– Qual?
– Aquela lá, dos noivos.
 
Ela passou-me a foto.
 
– Conhece? – perguntou.
– Não sei. Acho que sim, não sei – disse eu, coçando o queixo.
 
Ela olhou:
 
– É a tia Ana.
– Não, ela não. Ele – eu corrigi. E, pensativo: – Eu conheço esse cara.
– Ah! – a Sinara sorriu. – É o marido da tia Ana.
– Só pode – concordei, ironizando. – Pelo menos, parece que estão casando. O nome?
 
A Sinara ficou um pouco indecisa, titubeou:
 
– É… deixa ver, é… tio, tio… tio Sírio!
 
A lembrança estalou:
 
– Sírio!… Sírio Pos-sen-ti!
– Isso! Tio…
 
Conheci Sírio Possenti no fim dos anos 70, no Curso de Letras, em Ijuí. Foi meu professor de Linguística e impressionou-me sempre pela clareza de exposição e segurança de conhecimentos. Sua tranquilidade e fino senso de humor transformavam os intrincados meandros linguísticos num prazeroso passeio. Os mistérios da língua viravam brincadeira. Ademais, Sírio Possenti talvez seja a pessoa de mais rápido e compreensivo entendimento que eu conheça. Explico: quando se questionava algo ou algo se explanava, Sírio, de imediato, percebia possibilidades e nuanças explícitas e implícitas, todas, numa instantânea visão global que, na maioria das vezes, o próprio falante sequer imaginava. Um Mestre.
 
Tornamo-nos amigos. Em 1978, Sírio, junto com o escritor Deonísio da Silva, veio a Roque Gonzales e proferiu palestra que foi um marco. Data de então o início do grande desenvolvimento cultural da cidade, transformando-a em “Capital Missioneira da Literatura”, da Cultura.
 
Depois, perdemo-nos de vista.
 
Agora, quando eu menos esperava, o Amigo Sírio envia-me dois livros do Mestre Sírio: Por Que (Não) Ensinar Gramática na Escola e Os Humores da Língua. Este traz  um subtítulo explicativo: "Análises Linguísticas de Piadas". Os livros vieram da UNICAMP, São Paulo, onde Possenti leciona.
 
À primeira vista, para quem não conhece Sírio Possenti e sua clareza expositiva, pode parecer que os livros sejam chatos, difíceis, técnicos. Nada disso! A leitura é gostosa, saborosa. A gente se diverte. E aprende e descobre segredos. São livros que merecem, precisam ser lidos por qualquer pessoa que tenha um mínimo de contato com a palavra e suas formas de uso. E quem não tem?
 
Comentar os livros, analisá-los? Ah!, não. Essa, não! Abalançar-me ao Mestre?!
 
Ora, ora, sou amigo do Mestre…
 
– … Sírio Possenti.
– Hã? – fiz eu.
 
Era minha nora, a Sinara. Perguntei:
 
– O que foi?
– É o tio Sírio – ela repetiu. – Sírio Possenti, marido da tia Ana.
 
Ruminei: marido da Ana, que é tia da Sinara, que é esposa do Diego, que é filho da Alaíde, que é esposa… Mestre, Amigo… Parente?!
 
Pela vidraça da janela, vi um sol medroso espiar por entre nuvens. O tempo clareava.
Remirei a foto, apontei a cara do noivo e comentei:
 
– É ele, sim. Só que está sem barba; eu o conheci barbudo.
 
O sol sumiu de novo. Que tempo! O tempo…
 
                                                          Roque Gonzales, julho/1999.
 
_____________
*NELSON HOFFMAN é professor, escritor e crítico literário do Rio Grande do Sul traduzido para várias línguas; autor, entre outros, de Eu vivo só ternuras (novela) e A bofetada (romance)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Álvaro Alves de Faria

Já em 1971, ano da primeira edição do romance "O Tribunal" (Editora Martins-SP), Álvaro Alves de Faria, com apenas 29 anos de idade (nasceu em São Paulo em 1942), era considerado “um dos escritores jovens mais conceituados” do Brasil, como informa o jornalista Durval Monteiro nas orelhas do livro. Da Geração 60 de Poetas de São Paulo, Álvaro Alves de Faria publicou mais de 50 livros, incluindo poesia, novelas, romances, ensaios literários, livros de entrevistas com escritores e é também autor de peças de teatro, entre elas "Salve-se quem puder que o jardim está pegando fogo", que recebeu o Prêmio Anchieta para Teatro, um dos mais importantes dos anos 70 do Brasil. Como poeta, recebeu os mais significativos prêmios literários do país. É traduzido para o inglês, francês, japonês, espanhol, italiano, servo-croata e húngaro.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.