Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
Pelo fim dos campeonatos estaduais
Página publicada em: 09/02/2010
Lincoln Pinheiro Costa*
De como as divisões no futebol brasileiro apenas refletem as profundas desigualdades regionais e sociais e a injusta infraestrutura econômica do país (artigo publicado originalmente no site http://www.portalibahia.com.br/falabahia)

LINCOLN PINHEIRO COSTA
 
 
Futebol profissional é atividade econômica, embora haja quem, por esperteza, má-fé ou inocência negue essa realidade.
 
Sendo atividade econômica, há que se observar as leis: recolher os tributos, cumprir as obrigações trabalhistas, respeitar o direito dos torcedores – que se equivalem juridicamente aos consumidores – e dar lucro.
 
Não deve, pois, depender de subsídios do Estado, malgrado, como fomentador do bem-estar social, cumpra ao Estado estimular a atividade econômica, promovendo o desenvolvimento e combatendo as desigualdades sociais e regionais.
 
É sabido que o Brasil é um país com profundas desigualdades regionais e sociais.
 
O Estado de São Paulo concentra aproximadamente um terço da economia nacional. O Estado do Rio de Janeiro, por continuar sendo sede de importantes empresas estatais e privatizadas, mantém alguns privilégios econômicos em detrimento dos demais estados da federação.
 
A verdade é que o dinheiro flui para esses dois estados.
 
No futebol profissional não é diferente.
 
Enquanto os direitos de transmissão do campeonato paulista giram em torno de 65 milhões de reais por ano e o carioca 40 milhões, pelo mineiro se paga a bagatela de 16 milhões e pelo baiano míseros 500 mil reais/ano.
 
Não é preciso grande esforço de raciocínio para se concluir que essa diferença gerada, ano após ano, aumenta cada vez mais o abismo entre o futebol do eixo Rio-SP e o futebol dos demais estados.
 
Portanto, caro torcedor, quando você ouvir alguém defendendo a continuidade dos campeonatos estaduais em nome da tradição e da rivalidade, pergunte a que Senhor o arauto está servindo.
 
Manter os campeonatos estaduais só interessa à economia do eixo Rio-SP.  A manutenção desse ciclo vicioso levará à falência do futebol profissional dos demais estados e ao aprofundamento da tendência de se transferir recursos dos estados mais pobres para os mais ricos.
 
Cada vez que um torcedor do Norte, do Nordeste ou do Centro-oeste compra uma camisa de um time do eixo Rio-SP, está transferindo renda dos estados mais pobres para os mais ricos.
 
Romper com esse círculo vicioso é imperativo para se promover o desenvolvimento do futebol profissional e, por conseguinte, da economia de todos os estados.
 
A solução passa pelo fim dos deficitários campeonatos estaduais e sua substituição por um campeonato brasileiro com duração de pelo menos dez meses, no qual haja uma mais justa e equitativa distribuição dos recursos, de forma a se fortalecer os clubes de todo o Brasil.
 
Quando isso acontecer, todos os brasileiros terão orgulho de torcer pelos times de sua própria terra e não para os times de estados onde esses brasileiros são discriminados socialmente.
 
___________________
*Lincoln Pinheiro Costa é juiz federal em Belo Horizonte e ex-procurador da Fazenda Nacional em  Salvador. É graduado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP) e MBA em Direito da Economia e da Empresa pela FGV. É membro do Instituto San Tiago Dantas de Direito e Economia.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Ruth Guimarães

Escritora e estudiosa negra do Vale do Paraíba (SP), que, vencendo preconceitos e tabus, logrou reconhecimento da crítica nacional. “Ruth Guimarães, prosadora de qualidade (...). Não apenas uma escritora bem dotada para a ficção, mas uma autoridade nos estudos da cultura popular.”, escreveu o eminente professor Antônio Candido João Guimarães Rosa, por sua vez, afirmou: “Ruth Guimarães, minha irmã, parenta minha, que escreve como uma fada escreveria”.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.