Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
Serra Dourada, Vinte Anos
Página publicada em: 13/02/2010
Lincoln Pinheiro Costa*
De como a truculência durante a ditadura militar se espraiou da política para outras atividades sociais, entre estas a do futebol
O maior escândalo do futebol brasileiro de todos os tempos completou vinte anos no último dia 21 de agosto.
 
Atlético e Flamengo decidiriam em partida extra qual equipe continuaria na disputa da Libertadores.
 
Em 1981 ainda vivíamos sob o regime militar.
 
Reinaldo era o melhor jogador do país e um dos raríssimos com QI e coragem para abrir a boca em defesa da democracia.
 
Naquele tempo, um personagem de uma novela da Globo chamou o Cerezzo de peladeiro, o Elias Kalil, então presidente do CAM, chamou a Massa para boicotar aquela emissora, foi atendido e a mesma se retratou em uma semana.
 
Portanto, o Atlético, a torcida atleticana e o Rei representavam uma ameaça à estabilidade do regime. Foi nesse contexto histórico que aconteceria a partida no Serra Dourada.
 
O Galo não entrou em campo contra o Flamengo. Entrou em campo contra o time da ditadura militar e seu aparato ideológico, a Rede Globo.
 
E a arbitragem? Estava reservada a ela o papel semelhante ao da tortura dos presos políticos. Assim, como era impossível exterminar politicamente a oposição à ditadura, recorria-se à tortura. Como era impossível ao time de futebol do regime militar derrotar o Atlético Mineiro, recorreu-se à arbitragem.
 
Tal qual os torturadores, o árbitro não agiu por conta própria, por mero sadismo. Eles eram peças da complexa engrenagem da ditadura militar.
 
Assim como a tortura não era uma atividade de rotina dos militares e eles tinham de escolher os torturadores entre os elementos mais sórdidos da Corporação, tiveram que encontrar também, para apitar aquela partida, um árbitro inescrupuloso e sem valor moral. E é por isso que hoje ele está com emprego na Globo. Pelo serviço prestado.
 
O mesmo aconteceu com os torturadores. Fizeram o serviço sujo para se promoverem, ficaram impunes e hoje ocupam importantes cargos em Embaixadas do Brasil pelo mundo afora.
 
É por essas e outras que eu tenho orgulho desta camisa listrada, tenho orgulho de ser atleticano.
 
 
Belo Horizonte, 22 de agosto de 2001
 
____________________
Lincoln Pinheiro Costa é Juiz Federal em Belo Horizonte e ex-Procurador da Fazenda Nacional em  Salvador. É graduado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP) e MBA em Direito da Economia e da Empresa pela FGV. É membro do Instituto San Tiago Dantas de Direito e Economia. http://twitter.com/lincolnpinheiro

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Vicente Franz Cecim

Autor conhecido do público e aclamado pela crítica, premiado nacional e internacionalmente, recria e transfigura uma Amazônia que é muito mais do que a floresta física onde nasceu e vive. Vicente Franz Cecim é um escritor inigualável no variado espectro da Literatura Brasileira.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.