Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Ladrões nos celeiros: avante, companheiros!
Página publicada em: 17/04/2021
Nicodemos Sena R$20,00 (72 pág)
R$ 20,00
Comprar agora
"Ladrões nos celeiros: avante, companheiros!" foi escrito entre dezembro de 2017 e abril de 2018, sob o impacto da condenação e prisão do líder proletário Luiz Ignácio Lula da Silva. Poema na linhagem de um "Navio Negreiros" (Castro Alves) ou dos poemas "políticos" de Beltolt Brecht e Vladimir Maiakovski. Com a contundência e emotividade permitidas ao discurso metafórico próprio da poesia, Nicodemos Sena expõe as vísceras de um sistema político-social em franca decomposição e reconstrói a esperança na sociedade por vir, a sociedade socialista, livre do medo, da intolerância e da fome.
Imagem
"Esse amor, essa generosidade, essa crença no futuro e na cultura é pouco encontrável, salvo entre os que têm a fala da terra, a memória misteriosa da selva, o espírito das fábulas e ousam povoar coletivamente os sonhos." (CARLOS NEJAR, da Academia Brasileira de Letras, "A Tribuna", Vitória, ES, 14.05.2017)
 
“De que nos vale cantar, escrever poemas e romances se o manto escuro de uma ditadura militar nos oprime, violenta e mata de fome? De que nos valeria um poema por mais bem-feito que fosse?”, perguntava a mim mesmo, ainda jovem, em 1979. Mais valia ter um revólver, deitar abaixo o rei, tramar assaltos e revoluções e escorraçar os mandarins do Brasil...

Pensando nisso, dava os primeiros passos na profissão e vida de militante que durariam os anos que tenho. Fui ao estádio da Vila Euclides, em São Bernardo do Campo (SP), ajudar na cobertura de uma grande assembleia de metalúrgicos que decidiria os destinos de uma das greves mais importantes do período.

Em meio ao vozerio ensurdecedor, ao bulício da aglomeração de milhares e às rasantes dos helicópteros militares, Lula anunciou o poeta Vinicius de Moraes, já perto da morte que o acometeria um ano depois, para que declamasse à multidão revoltosa seu poema Operário em construção. Sorri desdenhoso por um momento. Quem ali ouviria um só verso desse poema que — ainda por cima — era longo? Sequer conseguiríamos escutar, por mais que tentássemos em homenagem ao velho e famoso poeta.

O que se deu então surpreendeu o menino e calou fundo em muitos que a partir dali não tiveram dúvidas em abraçar a luta contra a ditadura e fizeram-se militantes. Fez-se um silêncio total. Até mesmo os helicópteros não atrapalhavam mais. Tinha a impressão de poder distinguir uma mosca que voasse perto. A multidão ouviu a voz fraca do cantor prendendo a respiração. Perguntei-me se não seriam assim as ágoras dos antigos gregos em suas assembleias proto-democráticas.

Tive minha resposta. É possível sim ao canto, ao poema e à literatura serem mais fortes que o cão engatilhado de um revólver.

Nicodemos Sena, escritor amazônico que mora no Estado de São Paulo, escreveu esse outro longo poema sobre algo parecido mas não igual ao de Vinicius. Se os versos deste despertavam a consciência de classe, os de Nicodemos apelam à consciência da Nação e à necessidade da resistência como arma política de um povo para se opor, não apenas a uma infeliz atual ditadura, mas contra a rapinagem dos seus recursos.
Nicodemos evoca a ação resistente: “Assim agem os que/ dia após dia/ envenenam o povo./ Assim apregoam/ os ministros da morte./ Mas nós resistimos!”

Na criação de um arraial ou acampamento de resistência, a voz de Nicodemos apela à razão de um povo em movimento: “No atabaque dos jovens/ e na voz das mulheres/ os antepassados nos falam./ Não podemos agir de outro modo./ Resistir é preciso!”

Nicodemos Sena é escritor e trabalhador. Seu primeiro livro publicado, já em 3ª edição, com 1.112 páginas, A espera do Nunca mais, arrebatou, no Rio de Janeiro, em 2000, o prêmio Lima Barreto/Brasil 500 Anos. Depois desse, seguiu-se a narrativa dos índios amazônicos no romance A noite é dos pássaros (2003). Mais um romance, dessa vez em prosa incrivelmente poética e imaginativa: A mulher, o homem e o cão (2009). E, recentemente, voltou ao seu Estado do Pará resgatando a história de seu pai e povo no romance-crônica Choro por ti, Belterra!
 
Quem escutar esse seu poema Ladrões nos Celeiros: Avante, Companheiros! haverá de lembrar-se sempre da força das palavras em poesia."

(prefácio escrito por Leandro Carlos Esteves, escritor, jornalista e historiador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)
 
___________
 
Este livro pode ser adquirido aqui. CLIQUE AQUI.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.