Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Autores Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Leandro Carlos Esteves
Página publicada em: 17/02/2022
Leandro Carlos Esteves nasceu na pequena cidade de Lins, no oeste do Estado de São Paulo, em 19.11.1960. Em 1977, veio para São Paulo, onde se forma em Jornalismo, pela PUC (Pontifícia Universidade Católica). Cursou a Faculdade de História, com ênfase em métodos e pesquisa histórica, Antiga, Medieval e História do Brasil tanto na PUC quanto na Universidade de São Paulo (USP) onde também estudou filosofia.
Imagem
Leandro Carlos Esteves nasceu na pequena cidade de Lins, no oeste do Estado de São Paulo, em 19.11.1960. Em 1977, vem para São Paulo, onde se forma em Jornalismo, pela PUC (Pontifícia Universidade Católica). Cursa a Faculdade de História, com ênfase em métodos e pesquisa histórica, Antiga, Medieval e História do Brasil tanto na PUC quanto na Universidade de São Paulo (USP) onde também estudou filosofia. Numa São Paulo conflagrada contra a ditadura instalada no Brasil em 1964, que compeliu estudantes, intelectuais e trabalhadores a lutarem contra a opressão e a miséria implantadas pelo regime militar, o jovem “Leo” fez seu “batismo de fogo” ou sua “educação (nada) sentimental”, ao lado dos oprimidos.
Nesse período, foi repórter e editor na imprensa sindical, e participou na elaboração do livro História do sindicato dos metalúrgicos de Santo André. Mais tarde, trabalhou como setorista de informática e tecnologia no “Diário do Comércio e Indústria” (DCI). Realizou matérias, como repórter freelancer, para vários órgãos de imprensa. Ainda foi assessor de comunicação e imprensa de diversas empresas nacionais e estrangeiras da área de tecnologia e telecomunicações, tendo executado centenas de traduções técnicas. Trabalhou como repórter, editor e assessor de comunicação e imprensa, pesquisa e geração de conteúdo para eventos da Federação Brasileira dos Bancos (FEBRABAN), e editava a “Revista Ciab Febraban”, especializada em tecnologia corporativa e finanças, experiência que lhe descortinou o abstrato e obscuro mundo dos negócios.
Mais recentemente, como pesquisador na novela Órfãos da terra (da Rede Globo de Televisão), ajudou a arrebatar prêmios internacionais, incluindo o Emmy, considerado o mais importante na modalidade. Colaborou como roteirista e pesquisador para várias obras de cinema e teatro. Em 2016, lançou o livro de contos Anhangaçu – nada será como antes (Dobradura Editorial, São Paulo, SP), a respeito do qual Paulo Lins, autor do romance Cidade de Deus, escreveu: “Esse é um dos melhores livros que já li. (...) pela habilidade da escrita do autor, pelo conhecimento de causa, pela sua sinceridade artística, pela influência de grandes autores, pelo diálogo aberto com a tradição e com a produção atual.
 
SAIBA MAIS SOBRE LEANDRO CARLOS ESTEVES:
 

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Silas Corrêa Leite

Começou a escrever aos 16 anos, no jornal "O Guarani", de Itararé, no Estado de São Paulo. Autor do hino ao Itarareense e relator da ONG Transparência nas Políticas Públicas. Crê no humanismo e critica o "Brasil S/A". Vê a arte como instrumento de libertação (Manuel Bandeira); seus textos apresentam-se como um testemunho das amarguras de seu tempo de lucros globalizados e injustos e riquezas impunes de um neoliberalismo insano de privatarias e o inumano neoescravismo da terceirização.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.