Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Colunas

Fonte maior
Fonte menor
A força da poesia de Olga Savary
Página publicada em: 05/07/2008
Alfredo Garcia*
Sobre o "estranho silêncio" dos paraenses sobre a também paraense Olga Savary, considerada pela crítica uma das mais importantes poetas do Brasil (texto publicado na revista "Via Pará")
Aos 75 anos de idade, com a bagagem cultural de quem já conseguiu 40 prêmios nacionais em literatura de respeitadas instituições como a Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Câmara Brasileira do Livro (já ganhou o ambicionado Jabuti), Academia Brasileira de Letras (ABL) e União Brasileira de Escritores em São Paulo e Rio de Janeiro, e integra 950 livros como poeta, ficcionista, ensaísta, antologista, tradutora e jornalista, a escritora Olga Savary lança o seu 19º livro de Poesia.

Geminiana autêntica, nascida em Belém no dia 21 de maio, filha de pai russo (Bruno Savary) com ascendência francesa, alemã e sueca, e de mãe paraense, Célia Nobre de Almeida, de Monte Alegre, Olga Savary vem construindo paulatinamente na Literatura Brasileira uma obra de inigualável qualidade, como poucos autores paraenses realizaram. Por isso se estranhar tanto silêncio local sobre a sua obra – desconhecimento tácito ou anemia intelectual latente? – seja de leitores comuns, bem mais das academias.
 
Uma oportunidade de romper o silêncio é ler este Anima Animalis – Voz de bichos brasileiros (LetraSelvagem, 152 páginas, 2008), uma notável coletânea de poemas da escritora que traz “liberdade, sedução, arte, mistério, ciência, adaptação, sonho, erotismo, pensamento, morte. E vida.”, segundo escreve Christina Ramalho no prefácio do livro. São nove hai-kais e um poema longo que compõem a publicação. Com um detalhe: todos traduzidos para cinco línguas ao menos. Nos hai-kais, segundo destaca Jorge Wanderley, poeta, ensaísta e professor de Literatura Brasileira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), a autora trabalha de forma minimalista em gênero que exige a concentração do elemento poético, da “inteligência, sensibilidade e domínio da disciplina formal”.
 
Tudo isso Olga Savary possui de sobra. Falta mesmo os leitores do Pará adquirirem e lerem seus livros, afinal para boa parte a autora ainda é uma ilustre desconhecida – e quem perde com isso são eles e não a escritora. Uma amostra da força poética de Anima Animalis é este hai-kai intitulado “Peixe”: “Vi o rio nascer/ da minha guelra e nela / armadilho o mar”.
 
_____________
*Alfredo Garcia é escritor, professor e jornalista de Belém do Pará, autor, entre outros, de O livro de Eros (Ed. Cejup)                                                              

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Adelto Gonçalves

Jornalista com passagem em alguns dos maiores órgãos da Imprensa de São Paulo, professor univeresitário com doutorado pela USP (Univesidade de São Paulo), especialista em Literatura Portuguesa e Espanhola, autor de ensaios premiados, é também excelente ficcionista, como se pode comprovar neste romance "Os vira-latas da madrugada", um dos livros premiados, em 1980, no concurso de âmbito nacional promovido pela Livraria José Olympio Editora, que o lançou em 1981, e, trinta e quatro anos depois, é reeditado pela LetraSelvagem. "Adelto Gonçalves tem o dom de fazer viver suas personagens, convencendo o leitor de seu valor humano, mesmo quando suas ações, como as de Pingola e Quirino, lhe repugnem", escreveu Maria Angélica Guimarães Lopes, professora emérita da Universidade South Carolina, em resenha publicada na "Revista Iberoamericana", do Instituto Internacional de Literatura Iberoamericana, Universidade de Pittsburg, EUA, janeiro de 1985.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.